Coin News

Novo CEO da FTX ganha R$ 1 milhão por mês para organizar caos na corretora

54 min ago3 min readOther
Novo CEO da FTX ganha R$ 1 milhão por mês para organizar caos na corretora

John Ray, o experiente especialista contratado para consertar os destroços da exchange cripto falida FTX, está cobrando US$ 1.300 por hora para resolver os problemas, mostram documentos judiciais arquivados no domingo (20).

Considerando que o executivo trabalhe 8 horas por dia (provavelmente é mais que isso), no mês ele recebe US$ 208 mil, o que com o câmbio de hoje, em torno de R$ 5,37, daria R$ 1,116 milhão por mês.

Especialistas em reestruturação estão tentando continuar pagando os salários dos funcionários seniores, apesar do congelamento dos fundos da empresa e da falta de registros claros sobre quem deve o quê. Documentos legais arquivados no fim de semana no Tribunal de Falências dos EUA para o Distrito de Delaware lançaram mais luz sobre o processo de insolvência. A primeira audiência ocorre na terça-feira.

A FTX começou a desmoronar após uma revelação em 2 de novembro do CoinDesk de que a empresa havia misturado as linhas com o braço comercial supostamente independente Alameda Research. Isso pode ter deixado até 1 milhão de credores, incluindo usuários de criptomoedas que não conseguiram sacar fundos de suas contas.

O pagamento contínuo de salários “é necessário para a preservação dos recursos e do valor” do espólio da FTX, disse o documento de Edgar Mosley, diretor-gerente da consultoria de reestruturação Alvarez & Marsal. “Sem isso, acredito que ainda mais funcionários podem buscar alternativas de emprego […] provavelmente, diminuindo a confiança das partes interessadas na capacidade dos devedores de se reorganizar com sucesso”.

Os pagamentos feitos ao CEO Ray, bem como o salário de US$ 975 por hora da diretora administrativa Kathryn Schultea, da diretora financeira Mary Cilia e do diretor de informações Raj Perubhatla, são “fundamentais para manter e administrar” o que resta da empresa enquanto ela tenta quitar suas dívidas de forma ordenada.

Leia também

Só um usuário perdeu R$ 700 mil

Vítimas da FTX: brasileiros perdem de economias pessoais a empréstimos após exchange falir

Centenas de brasileiros não tiveram tempo de sacar seus recursos e podem ter perdido tudo na quebra da corretora

O processo também cita executivos que não são funcionários e foram contratados para garantir a governança adequada durante o processo de insolvência, pelo qual cobram uma taxa de US$ 50 mil por mês, mais despesas.

Na casa dos milhões por ano, os ganhos de Ray representariam apenas uma fração dos US$ 3,1 bilhões que a FTX deve a seus principais credores, os US$ 2 bilhões que custou para resolver a quebra do Lehman Brothers, ou os US$ 21 bilhões que o antecessor de Ray, Sam Bankman-Fried poderia reivindicar como sua fortuna pessoal.

Mosley também recomenda continuar pagando até US$ 17,5 milhões a contratados críticos, sem os quais a empresa poderia ter seus ativos cripto hackeados ou roubados, e que podem estar localizados fora do alcance do tribunal dos EUA.

Mas determinar quem são esses fornecedores-chave se torna mais complexo pela atitude arrogante da FTX em relação à manutenção de registros – algo que Ray já havia criticado, dizendo ser o pior cenário que já viu em sua carreira de 40 anos de reestruturações, inclusive para a falida empresa de energia Enron.

A FTX ainda está tendo problemas para identificar quem estava em sua folha de pagamento, complicando os esforços para pagar até US$ 1 milhão em salários atrasados. Ray também criticou práticas como a compra de imóveis nas Bahamas para funcionários usando fundos da empresa.

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store