Coin News

Manhã Cripto: Economia ainda deixa mercado cauteloso, mas criptomoedas mantêm tendência de alta; Cardano dispara 13%

6 Jun, 20229 min readAltcoins
Manhã Cripto: Economia ainda deixa mercado cauteloso, mas criptomoedas mantêm tendência de alta; Cardano dispara 13%

O mercado de criptomoedas inicia esta segunda-feira (6) em alta após um fim de semana de ganhos, em linha com as bolsas na Ásia e índices futuros dos Estados Unidos. O Bitcoin (BTC) sobe 5,4%, cotado a US$ 31.404,28 nas últimas 24 horas, segundo dados do CoinGecko. O Ethereum (ETH) avança 5,9%, para US$ 1.893,66.

No Brasil, o Bitcoin amanhece com valorização de 5,4%, negociado a R$ 150.481,10, segundo o Índice do Portal do Bitcoin (IPB).

Outras altcoins são negociadas no azul nesta segunda-feira como Binance Coin (4%), Cardano (+13%), XRP (+3%), Solana (+11%), Dogecoin (+2,3%), Polkadot (+5,9%) e Avalanche (9,5%).

Na sexta-feira (3), os índices acionários americanos fecharam em baixa apesar dos dados positivos do mercado de trabalho nos EUA, que criou 390 mil vagas em maio. Nesta segunda-feira, investidores estão mais animados com o alívio das restrições para frear a Covid-19 em Pequim.

Vulneráveis

No entanto, o clima ainda é de cautela diante do cenário macroeconômico de juros mais altos e inflação acelerada, agravados pelo contínuo conflito entre Rússia e Ucrânia. Segundo o levantamento MLIV Pulse divulgado pela Bloomberg com 687 participantes, ativos como ações e criptomoedas estão muito vulneráveis agora, com o plano do Federal Reserve de enxugar seu balanço.

O Índice de Medo e Ganância avançou no território de “extremo medo” nos últimos dias, movimento semelhante ao ocorrido em janeiro, o que foi seguido de um impulso no preço do BTC.

Para Joe DiPasquale, CEO da gestora de fundos de criptomoedas BitBull, o desempenho do Bitcoin deve seguir fraco até que consiga romper a faixa entre US$ 31.000 e US$ 32.000. “No entanto, continuamos a ver algumas compras abaixo de US$ 30.000”, o que ajuda a sustentar os preços, disse ao CoinDesk.

Reservas da TRON

Com o total colapso da TerraUSD, a TRON anunciou no domingo (5) um plano para aumentar significativamente as reservas de sua stablecoin algorítmica lançada em maio, a USDD, até então muito parecida à da blockchain Terra. O fundador da TRON, Justin Sun, disse que as reservas da USDD agora serão compostas de criptomoedas como o Bitcoin (US$ 418 milhões) e outras stablecoins, como a Tether (USDT).

Enquanto isso, especialistas continuam em busca de pistas sobre o que causou a quebra do sistema Terra/Luna em meio à complexidade do mercado de finanças descentralizadas, de acordo com o Wall Street Journal.

Destaques

O Mercado Bitcoin e a Proprietà, consultoria imobiliária digital do Rio de Janeiro, anunciaram na sexta-feira (3) uma parceria que possibilita o pagamento de até 100% do valor dos imóveis por meio de criptomoedas. “Temos um compromisso de fazer com que as criptomoedas sejam aceitas nas mais diversas transações, atendendo a uma demanda cada vez maior do mercado (…)”, disse Reinaldo Rabelo, CEO do Mercado Bitcoin, que já conta com parcerias similares com as incorporadoras Even e Melnick e, no setor de veículos, com a concessionária online NetCarros.

A empresa de viagens Travala agora permite o pagamento de alguns serviços – a experiência de dirigir um supercarro esportivo de luxo, como a Ferrari, por exemplo – usando criptomoedas, o que inclui a Shiba Inu (SHIB), na compra do pacote. Mas, nos últimos 30 dias, o token acumula perdas de quase 50%, segundo o CoinMarketCap. Para dirigir um dos carrões por apenas uma hora pelas ruas de Miami, seriam necessárias cerca de 23 milhões de unidades do token, que opera em alta de 4,6% nas últimas 24 horas.

A exchange mexicana Bitso conquistou 1 milhão de clientes no Brasil e, apesar da queda dos preços das criptomoedas, diz que o período é útil para criar produtos. “É um ano de construção”, disse ao Blocknews o CEO da empresa, Thales Freitas, que assumiu o cargo em abril passado. A Bitso também já faz parte da Zetta, associação que reúne empresas de tecnologia e finanças como o Mercado Bitcoin e Nubank.

Daniel Mangabeira, porta-voz da Binance no Brasil e diretor de relações institucionais para América Latina, disse em entrevista à agência Broadcast do Estadão que o sistema de pagamentos “Binance Pay” será lançado “em breve”. Mangabeira afirmou que a exchange aguarda a definição de um marco regulatório para pedir formalmente a licença de operação no Brasil. “O PL [em tramitação na Câmara] é positivo por ser principiológico, mas há um certo purismo legislativo”, disse.

A B3 não pretende competir com corretoras de criptomoedas por seus clientes finais, apesar de ter recebido autorização da CVM para operar no mercado de ativos digitais por meio de uma sociedade com a subsidiária BLK. O objetivo da nova empresa, a B3 DA (sigla para B3 Digital Assets), é fornecer serviços ligados à infraestrutura de negócios para ativos digitais. “Será um serviço ‘business to business’ e não ‘business to client’”, reforçou a B3 ao Portal do Bitcoin.

Companhias no Brasil buscam criar “grupos de acesso” ao mercado financeiro com a chegada das “criptoações”, de acordo com reportagem da FolhaInvest. O processo foi barateado com a tecnologia, como o blockchain, para a tokenização de ativos, e a ideia é criar as condições para empresas que ainda não podem ser listadas testem suas teses de crescimento.

Na opinião de Guilherme Rebane, head of Latam da plataforma de ativos digitais OSL, o Brasil é o celeiro de maior diversidade de fundos de índice para investimentos em criptomoedas. “Um ponto positivo dos ETFs é o fato de eles serem negociados em um ambiente regulado de Bolsa, no caso do Brasil, na B3, mesmo que, no caso das moedas digitais, elas sejam uma classe de ativos ainda não regulados”, disse em artigo no Portal do Bitcoin.

O ETF de metaverso META11, por exemplo, foi lançado na sexta-feira (3) na B3. O produto vai oferecer ao investidor exposição a criptoativos da indústria de cultura e entretenimento em blockchain, segundo o E-Investidor.

O mercado enfrenta o começo do inverno cripto ou este já acabou? Análise de David Z Morris, do CoinDesk, aponta que, apesar dos vários anúncios de demissões em exchanges de criptomoedas, os números ainda não se comparam aos cortes ocorridos no inverno cripto anterior, quando a capitalização de mercado encolheu de US$ 830 bilhões no começo de 2018 para US$ 100 bilhões em dezembro daquele ano. O artigo também destaca que a decisão da Coinbase de rescindir ofertas de emprego já aceitas indica “pânico” resultante do “fracasso” de planejamento para se adaptar às condições do mercado.

E a ação da Coinbase está entre os papéis que têm impulsionado o ETF ARK Innovation, da gestora-estrela Cathie Woods. O fundo acumula alta de 17% desde a mínima em 11 de maio, e a ação da Coinbase mostra ganho de 24% no período, apesar da queda de 74% desde janeiro, mostra análise do Wall Street Journal, o que poderia ser um sinal de otimismo apesar da recente turbulência.

Mineração

Cresce a pressão de ambientalistas após a aprovação de um projeto de lei pelo estado de Nova York que proíbe usinas de combustível fóssil de estabelecerem novos projetos para abastecer mineradoras de criptomoedas que utilizam o mecanismo de consenso conhecido como prova de trabalho (PoW). A medida seria válida por dois anos e agora depende da sanção da governadora Kathy Hochul. Ativistas também pedem a proibição de licenças de emissões atmosféricas para a mineradora de Bitcoin Greenidge Generation, de acordo com o CoinDesk.

Enquanto isso, produtores de petróleo do Oriente Médio reforçam a aposta na mineração de Bitcoin. A Crusoe Energy, empresa privada dos EUA pioneira na mineração de BTC que usa excedente de gás natural como fonte de energia, está se expandindo na região com investimentos do Mubadala, o fundo soberano de Abu Dhabi, e da Autoridade de Investimento de Omã (OIA).

O impacto da mineração de criptomoedas não passa despercebido pelo governo Biden, que prepara um estudo com recomendações de políticas para reduzir a pegada ambiental da atividade, disse uma autoridade da pasta de energia da Casa Branca à Bloomberg Law. O relatório é esperado para agosto.

Regulação, Cibersegurança e CBDCs

Consumidores nos EUA relataram perdas acima de US$ 1 bilhão em fraudes relacionadas a criptomoedas entre janeiro de 2021 de março deste ano, de acordo com análise da Comissão Federal de Comércio (FTC). “Criptomoedas estão rapidamente se tornando o pagamento preferido de muitos golpistas”, disse a agência.

No Brasil, a administradora de empresas Aline Fernandes dos Santos, 41, perdeu suas economias de R$ 600 mil reais, vítima de um golpe no Tinder, apurou a Folha. Um paquera que dizia ser um investidor britânico a envolveu com mensagens que a levaram a fazer aplicações em uma corretora fraudulenta, chamada BTX Exchange. Com o aumento das fraudes com criptomoedas, escritórios de advocacia no Brasil relatam uma maior demanda de clientes em busca de soluções.

E por falar em golpes, o projeto Bored Ape Yacht Club (BAYC) informou no sábado (4) que seus servidores Discord sofreram um “breve” ataque de hackers, que resultou no roubo de tokens não fungíveis equivalentes a 200 ETH (US$ 357 mil), segundo o The Block.

O governo das Bermudas, com uma indústria de peso em seguros e resseguros offshore, aposta que a transparência na regulamentação de ativos digitais pode ajudar a atrair mais projetos e empresas de criptomoedas, apesar da volatilidade nos mercados, destaca o Wall Street Journal.

Metaverso, Games e NFTs

Quase 15 anos após a revolução do iPhone, a Apple dá os primeiros passos para um aparelho que conecta o mundo digital ao real, disseram três pessoas a par dos planos ao New York Times. A empresa contratou diretores de Hollywood como Jon Favreau para desenvolver conteúdo de vídeo para um aparelho que seria lançado no próximo ano. A Apple não comentou.

No planeta Ômega, velocidade significa poder, e quem ganhar a corrida vai dominar o mundo. Essa é a premissa do projeto de ficção científica multimídia e Web3 “Runner”, criado por Bryan Unkeless, produtor de “Jogos Vorazes”, Cedric Nicolas-Troyan, Bryce Anderson e Blaise Hemingway. Runner será produzido como história em quadrinhos, um projeto de fotos de perfil na forma de tokens não fungíveis, um videogame e, no futuro, um seriado de TV pela produtora de Unkeless, a Clubhouse Pictures, segundo o Decrypt.

A Snackclub, startup de Web3 criada pelos fundadores da organização de e-sports LOUD, fechou uma parceria com a Sky Mavis para realizar o “Axie Infinity Origin Champions Brasil”, conforme a Forbes. O objetivo da iniciativa é aproximar criadores de conteúdo e influenciadores que possuam visibilidade no game.

Na próxima quinta-feira (9), tem início o evento Consensus 2022, promovido pelo CoinDesk em Austin, Texas, com a presença de executivos da indústria de criptomoedas como o CEO da FTX, Sam Bankman-Fried, o CEO da Binance, Changpeng Zhao, a diretora-presidente da Fidelity Investments, Abby Johnson, e autoridades como o vice-secretário do Tesouro dos EUA, Wally Adeyemo. O evento ocorre até 12 de junho.

Ganhador de um sorteio da Crypto Space Agency ao comprar um NFT, o brasileiro Victor Hespanha realizou o sonho de ir ao espaço no sábado (4), na missão NS-21 da Blue Origin. “Não tenho palavras. Lá em cima, senti como se estivesse saindo meu corpo”, afirmou após o voo, segundo a Exame.

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store