Coin News

Manhã cripto: BNB recua 3% após rombo de US$ 100 milhões na BNB Smart Chain e Bitcoin (BTC) em compasso de espera

7 Oct, 202210 min readBlockchain
Manhã cripto: BNB recua 3% após rombo de US$ 100 milhões na BNB Smart Chain e Bitcoin (BTC) em compasso de espera

O mercado de criptomoedas amanheceu com mais uma invasão de hackers nesta sexta-feira (7), desta vez na blockchain do token BNB. Investidores também vão acompanhar de perto os números do mercado de trabalho nos EUA, que podem dar pistas sobre os próximos passos do banco central americano.

Bitcoin (BTC) anda de lado nas últimas 24 horas, em baixa de 0,9% cotado a US$ 19.953 segundo dados do CoinGecko. Já o Ethereum (ETH) também mostra pouca variação, em queda de 0,2%, negociado a US$ 1.355.

Em reais, o Bitcoin recua 0,2%, para R$ 104.869, conforme o Índice do Portal do Bitcoin (IPB).

Binance Coin registra queda de 3,3% nesta sexta após uma invasão de hackers que drenou US$ 100 milhões da BNB Smart Chain (BSC), blockchain que hospeda o token e é ligada à Binance. As operações da BSC, que haviam sido suspensas, foram retomadas às 3h40 de Brasília depois que validadores utilizaram uma atualização de software para bloquear as contas dos invasores, de acordo com o CoinDesk.

Cerca de US$ 7 milhões em fundos roubados já foram bloqueados. A falha de segurança teria sido originada no protocolo BSC Token Hub, uma ponte entre blockchains, segundo informações da BSC.

O CEO da Binance, Changpeng “CZ” Zhao”, disse em tuíte que o problema foi “contido” e se desculpou pelo “inconveniente”.

Compra do Twitter

Entre outras moedas digitais que chamam a atenção nesta manhã está Dogecoin, token preferido de Elon Musk, em queda de 2,7% nas últimas 24 horas. Na quinta-feira (6), o dono da Tesla conseguiu autorização para adiar o julgamento no processo movido pelo Twitter, que deveria começar em pouco mais de uma semana, segundo o New York Times. A juíza encarregada do caso deu três semanas para que o bilionário feche a aquisição da plataforma por US$ 44 bilhões.

DESO está entre os destaques de alta, com ganho de 35%. O token nativo da rede social descentralizada de mesmo nome reage à expansão da estratégia de conteúdo do projeto e planos para integrar parcialmente a stablecoin USDC, emitida pela Circle, informou o CoinDesk. A DeSo se descreve como uma alternativa descentralizada às gigantes de redes sociais.

Outras alcoins operam em terreno negativo, entre elas XRP (-1,2%), Cardano (-0,9%), Solana (-2,2%), Polkadot (-1,2%), Shiba Inu (-2,5%), Polygon (+0,2%) e Alavanche (-1,4%).

Bitcoin hoje

O relatório sobre a criação de vagas nos EUA deve ditar o ritmo de negociações no mercado de criptomoedas e nas bolsas em Wall Street.

Em discurso na Universidade de Kentucky, o governador do Federal Reserve, Christopher Waller, observou que os dados de emprego surpreendentemente fortes no início desta semana e as expectativas de que a economia dos EUA terá criado 269 mil empregos no mês passado são sinais de que a atividade não se desacelerou o suficiente. Com isso, não se justificaria uma pausa no aperto monetário.

Observadores do mercado concordam. “A questão de um giro do Fed continua sendo o principal fator que limita o apetite por risco”, escreveu Sebastien Barbe, chefe de pesquisa e estratégia de mercados emergentes do Credit Agricole CIB, em nota divulgada pela Bloomberg. “A cautela deve se manter antes do relatório de empregos nos EUA. Em razão dos repetidos comentários ‘hawkish’ (inclinados ao aperto monetário) do Fed, isso pode não ser suficiente para sustentar o apetite por risco.”

Outros destaques

A Binance, maior corretora cripto do mundo, inaugurou dois escritórios no Brasil esta semana. Isso significa que a empresa começará a reportar transações de seus clientes para a Receita Federal, como é estabelecido pela Instrução Normativa 1.888/2019? Pelo menos dois youtubers brasileiros levantaram a questão em vídeos diferentes. Em ambos os casos, afirmaram que a corretora tende a adotar a medida.

Questionada pelo Portal do Bitcoin se haveria alguma mudança, a Binance respondeu em comunicado:

“Cada cidadão tem a responsabilidade de recolher seus impostos de acordo com as determinações das autoridades fiscais brasileiras, certificando-se de se informar com um contador/consultor tributário. A Binance não oferece serviços de consultoria tributária ou financeira.”

A corretora cripto Foxbit, com mais de 1 milhão de clientes no Brasil, decidiu seguir os passos de rivais e lançar uma exchange global com o objetivo de aumentar a base de usuários e foco na América Latina, segundo o portal NeoFeed.

Em meio ao inverno cripto que enxugou US$ 2 trilhões em valor de mercado, grandes exchanges como Binance e Coinbase estão reduzindo taxas para ganhar mais clientes em meio ao baixo volume de negociação, de acordo com o Wall Street Journal. Um passo que segue a estratégia de corretoras e gestoras de ativos de Wall Street nos últimos anos para ganhar participação de mercado.

E a Crypto.com, de Singapura, teria demitido mais de 2 mil funcionários – de 30% a 40% da equipe – desde que iniciou os cortes em meados deste ano, segundo o portal Ad Age, que cita várias fontes. O CEO Kris Marszalek havia dito em junho que as demissões somavam 260 pessoas, ou 5% da força de trabalho. A corretora também estaria recuando em outros acordos de patrocínio além do contrato cancelado com a UEFA, como com o time de futebol Angel F.C., de Los Angeles.

O portal CoinDesk corrigiu números divulgados na manhã de quinta-feira (6) sobre o valor sacado por executivos do alto escalão da plataforma de crédito cripto Celsius Network. A quantia retirada pelo ex-CEO Alex Mashinsky e pelo ex-diretor de segurança Daniel Leon teria sido equivalente a US$ 17 milhões entre maio e junho de 2022, antes de a empresa bloquear contas de clientes e de pedir recuperação judicial.

MakerDAO, a organização autônoma descentralizada que opera a stablecoin DAI, decidiu investir US$ 500 milhões do token em títulos do Tesouro dos EUA, os chamados Treasuries, como também títulos corporativos, normalmente vistos como refúgio por investidores em períodos de turbulência. O objetivo é diversificar o balanço, reduzir a exposição a um único ativo e expandir a receita, de acordo com comunicado.

De acordo com as estimativas atualizadas, o próximo aumento na dificuldade de mineração de Bitcoin, esperado na próxima segunda-feira (10), pode ultrapassar 12%, o que seria o maior salto em um ano, conforme cálculos do The Block. Com a nova geração de máquinas de mineração de BTC online, a chamada taxa de hash da rede global cresceu mais de 11% apenas na última semana. A próxima atualização pode ter impacto nas margens de lucro já em declínio.

A Grayscale Investments vai lançar um veículo de investimento cujos recursos serão destinados a comprar equipamento de mineração a preços baixos, informou a Bloomberg. A Grayscale Digital Infrastructure Opportunities (GDIO) estará disponível para investidores credenciados, como hedge funds e family offices, com investimento mínimo de US$ 25 mil.

A gigante CME Group vai incluir três novos índices de preços de criptomoedas, um passo que pode ajudar a empresa a lançar as bases para expandir seu conjunto de contratos futuros além do Bitcoin e do Ethereum. A CME e a CF Benchmarks disseram em comunicado que começarão a divulgar índices de preços diários e em tempo real para Avalanche, Filecoin e Tezos a partir de 31 de outubro.

A registradora Cerc está em processo de fechar uma captação de R$ 550 milhões, liderada pelo Mubadala, fundo soberano de Abu Dhabi. A informação foi divulgada anteriormente pelo site Brazil Journal e confirmada pelo Valor com fontes a par do assunto. Além de Mubadala e Valor Capital, que também participou da atual rodada, a companhia tem entre os investidores GP Investments, Parallax e 2TM, a holding do MB.

O braço de venture capital do Citigroup fez seu primeiro investimento em uma empresa em estágio inicial do setor de ativos digitais. A Citi Ventures coliderou uma rodada de financiamento do chamado “seed capital” de US$ 6 milhões para a Xalts, startup cripto de Hong Kong cofundada por um ex-operador do HSBC e por um ex-executivo da Meta Platforms.

E a Tiger Global Management busca levantar US$ 6 bilhões para um novo fundo de investimento com foco tecnologia, de acordo com o Axios. A captação em andamento deve concluir o primeiro fechamento em janeiro, segundo uma carta de investimento vista pelo portal.

Regulação, CBDCs e Cibersegurança

Especialistas ouvidor pelo Valor acreditam que a não reeleição do deputado Expedito Netto (PSD-RO), relator do projeto de lei que regula os criptoativos no Brasil, pode abrir espaço para propostas da CVM e do Banco Central.

“O cenário da eleição trouxe diversas incertezas e, diante do novo quadro, nenhum destino da votação pode ser descartado”, afirma Felipe Duarte, sócio do Abrão Camargo Advogados. “Pode haver intensa pressão para intensificação do espaço de colaboração da CVM [Comissão de Valores Mobiliários] e do Banco Central e alguns deputados até mesmo defendem a reconstrução integral do marco regulatório.”

A Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto) anunciou na quinta-feira (6) a chegada de duas novas associadas: a consultoria Deloitte e 99Pay, a carteira digital da 99. Segundo a entidade, o ingresso das empresas reforça a construção de um mercado mais seguro e inovador de criptoativos no país.

A Polícia Federal deflagrou ontem (6) uma operação contra um grupo acusado de organizar um esquema multimilionário e internacional de lavagem de dinheiro a partir de uma pirâmide financeira com criptomoedas como chamariz. O homem apontado como líder da quadrilha é Francisley Valdevino da Silva, que ficou conhecido como o “Sheik das Criptomoedas”, conforme reportagem do portal G1.

A União Europeia proibiu todos os serviços de criptomoedas para entidades russas como parte de sua oitava rodada de sanções contra o país. “As proibições existentes sobre criptoativos foram reforçadas com a proibição de todas as carteiras, contas ou serviços de custódia de criptoativos, independentemente do valor da carteira”, diz o comunicado de imprensa da Comissão Europeia divulgado na quinta-feira (6).

Do Kwon, cofundador da falida Terraform Labs, negou que promotores sul-coreanos tenham bloqueado outros US$ 39,6 milhões de seus ativos em criptomoedas quando autoridades do país iniciaram o processo para revogar seu passaporte, segundo o Financial Times. A Procuradoria do Distrito Sul de Seul disse na quinta-feira (6) que as posições em Bitcoin de Kwon, no valor total de US$ 67 milhões e mantidas nas exchanges OKX e KuCoin, foram congeladas. “Não sei de quem são os fundos que congelaram, mas bom para eles”, espero que usem para um bom propósito, tuitou Kwon.

E um tribunal da Coreia do Sul rejeitou um mandado de prisão contra um funcionário da Terraform Labs, horas depois de relatos sobre sua prisão, noticiada anteriormente pela mídia coreana. O funcionário, cujo sobrenome é Yu, foi diretor de operações gerais da Terraform Labs. O juiz teria considerado a prisão desnecessária.

Metaverso, Games e NFTs

Sebastião Salgado, um dos maiores fotógrafos do mundo, anunciou sua estreia no universo dos tokens não fungíveis (NFT) com o lançamento de uma coleção exclusiva de fotografias da Amazônia. Na próxima quarta-feira (12), investidores terão a chance de cunhar — termo que significa criar tokens por meio de contratos inteligentes — um NFT da coleção limitada na plataforma da Sotheby’s, uma das casas de leilões mais importantes do mundo.

A empresa cripto americana Moonpay anunciou na quinta-feira (6) um acordo de patrocínio com o Flamengo, que também incluiu uma parceria para o lançamento de NFTs relacionados ao clube, conforme o Valor. De acordo com o fundador e CEO da Moonpay, Ivan Soto-Wright, entre os lançamentos programados está o NFT de uma camisa “figital” do time.

Quer negociar mais de 200 ativos digitais na maior exchange da América Latina? Conheça o Mercado Bitcoin! Com 3,8 milhões de clientes, a plataforma do MB já movimentou mais de R$ 50 bilhões em trade in. Crie sua conta grátis!

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store