Coin News

Manhã Cripto: Aversão ao risco domina mercado, mas Bitcoin (BTC) se mantém acima do patamar de US$ 20 mil

22 Jun, 20228 min readBitcoin
Manhã Cripto: Aversão ao risco domina mercado, mas Bitcoin (BTC) se mantém acima do patamar de US$ 20 mil

Investidores globais acordaram com menos apetite por risco, preocupados com a economia global, o que tira força dos índices futuros nos mercados dos EUA e também das criptomoedas. O Bitcoin (BTC) recua 4,6% nas últimas 24 horas, para US$ 20.274,67, segundo dados do CoinGecko. O Ethereum perde 6,7%, negociado a US$ 1.081,39.

No Brasil, o Bitcoin opera em queda de 5,2%, cotado a R$ 104.450,37, de acordo com o Índice do Portal do Bitcoin (IPB).

As principais altcoins também mostram perdas como Binance Coin (-3,7%), Cardano (-6,6%), XRP (-2,4%), Solana (-8,9%), Dogecoin (-1,5%), Polkadot (-8%) e Avalanche (-8,7%). Shiba Inu vai na contramão e avança 8%.

“O Bitcoin chegou a um piso, mas provavelmente não ‘o piso’”, disse à Bloomberg Mark Newton, chefe de estratégia técnica da Fundstrat Global Advisors. “Os alvos de alta devem se materializar perto de US$ 23.300, com uma máxima próxima a US$ 24.800, antes que os preços recuem para prováveis mínimas na última semana de junho.”

O maior fundo de índice de Bitcoin do mundo perdeu metade de seus ativos sob gestão na sexta-feira (17), o que pode ter intensificado a queda do BTC no sábado, de acordo com o CoinDesk. O ETF Purpose Bitcoin registrou a saída de 24.510 bitcoins na sexta, o maior saque diário desde que o fundo estreou na bolsa de valores do Canadá em abril de 2021, segundo dados da Arcane Research.

Produtos de investimento em ativos digitais tiveram saídas líquidas de US$ 39 milhões na semana passada, mostra relatório da CoinShares. O total de ativos sob gestão caiu para US$ 36,3 bilhões, o menor valor desde fevereiro de 2021.

Ouro digital?

André Esteves, sócio do BTG Pactual, disse em evento do banco na terça-feira (22) que muitos tipos de diversificação deixaram de funcionar devido aos altos níveis de inflação global. Para Esteves, o Bitcoin não pode ser classificado como ouro digital. “(…) Quando a Nasdaq fez uma correção de 40%, o Bitcoin caiu 40% e mais um pouco. Na verdade, não tem nada de ‘digital gold”, criticou Esteves.

Outros destaques

Sam Bankman-Fried, o bilionário cofundador da corretora de criptomoedas FTX, está distribuindo linhas de crédito como forma de evitar o contágio da crise enfrentada por algumas empresas. A plataforma de empréstimos cripto BlockFi, por exemplo, garantiu uma linha de crédito rotativo de US$ 250 milhões junto à FTX, de acordo com tuíte do CEO Zac Prince na terça-feira (21). E na semana passada, a exchange americana Voyager Digital obteve um crédito de US$ 200 milhões, além de uma linha rotativa de 15 mil bitcoins da Alameda Research, empresa de trading de Bankman-Fried.

“Sam Bankman-Fried é o novo John Pierpont Morgan – está resgatando os mercados de criptomoedas assim como o J.P. Morgan original o fez após a crise de 1907”, afirmou Anthony Scaramucci, fundador da SkyBridge Capital, em entrevista à Bloomberg. O CEO da FTX disse à rádio NPR que sua corretora se sente responsável em socorrer empresas do setor em épocas de crise.

Mais uma corretora anunciou restrições para saques de criptomoedas. A plataforma de empréstimos cripto FinBlox, de Hong Kong, limitou os saques a US$ 500 por dia ou US$ 1.500 por mês. A empresa tem como investidor o hedge fund cripto Three Arrows Capital, que enfrenta problemas de liquidez.

Um grande usuário na rede Solana, que estava prestes a ser liquidado na semana passada, começou a transferir fundos para mitigar o risco no protocolo de empréstimos Solend, também baseado na blockchain. A baleia da Solend transferiu US$ 25 milhões de sua dívida para a plataforma Mango Markets, segundo dados divulgados na terça-feira.

A Tether planeja lançar uma stablecoin atrelada à libra esterlina no início de julho, conforme o The Block. Chamada de GBPT, a stablecoin será disponibilizada inicialmente na blockchain Ethereum, disse a empresa em comunicado.

A Binance.US, braço nos EUA da exchange de criptomoedas Binance, pretende levantar até US$ 50 milhões com uma avaliação de US$ 4,5 bilhões, informou o CoinDesk na terça-feira.

Depois de ser adquirida pelo Méliuz em julho de 2021, a fintech de serviços de criptomoedas Alter vai encerrar as operações. A Alter informou que os clientes podem transferir reais ou criptomoedas para outra conta ou carteira, ou para uma conta do Méliuz, de forma gratuita. O prazo para a migração termina em 6 de agosto.

A empresa de investimentos em Bitcoin NYDIG e a Deloitte vão trabalhar em parceria para ajudar empresas de diferentes tamanhos a incorporar ativos digitais em suas operações. Com o acordo, a NYDIG poderá oferecer produtos associados ao Bitcoin em bancos, fidelidade do consumidor, entre outros, para clientes da consultoria, segundo o CoinDesk.

O conselho de administração do Twitter recomendou por unanimidade que os acionistas aprovem a proposta de venda da companhia para o bilionário Elon Musk em uma futura assembleia, segundo documento enviado na terça-feira à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA.

Regulação, Cibersegurança e CBDCs

O mercado aguarda a votação do projeto de lei que regula os criptoativos no Brasil, com expectativa de ser aprovado ainda nesta semana. O objetivo do PL é estabelecer uma legislação capaz de triplicar os investimentos no setor, disse o deputado federal Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ), autor da proposta, em seminário promovido na terça-feira (21) pela TV ConJur.

Presente ao evento, Vanessa Butalla, diretora executiva de Jurídico, Regulatório e Compliance da 2TM, que controla o MB, destaca que o projeto pode estabelecer um “ambiente de isonomia, que favorece a livre concorrência e não deixa espaço para a arbitragem regulatória” — ou seja, “prestadores de serviços escolhendo cumprir ou não a legislação”.

De olho na regulação, a Coinbase prepara sua entrada oficial no Brasil nos próximos meses, de acordo com reportagem do Valor. Com 40 funcionários no país, a maior corretora cripto dos EUA segue com os planos apesar da demissão de 1.100 pessoas no mercado americano recentemente. A subsidiária brasileira pretende contar com 130 colaboradores, todos em esquema de home office permanente.

A Binance caminha para completar o quarto dia sem acesso a um parceiro bancário no Brasil que permita aos clientes sacarem ou depositarem em reais na corretora. O encerramento do serviço, até então prestado pelo Capitual, pareceu algo súbito, mas é o acúmulo de um problema que vinha se desenrolando, destaca reportagem do Portal do Bitcoin.

Como o Capitual não é regulado pelo Banco Central, usava os serviços da Acesso Bank, uma empresa de pagamentos regulada. A Binance tinha junto ao Capitual e à Acesso diversas ‘contas-mãe’, onde operavam milhares de CPFs, mas que não estavam registrados na instituição regulada. Um procedimento considerado irregular, segundo um funcionário ligado ao BC que pediu para não ser identificado.

A 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu habeas corpus para Glaidson Acácio dos Santos, o “Faraó dos Bitcoins”, em um dos quatro processos respondidos por ele. Os ministros votaram um pedido feito pela defesa de Glaidson em relação à ação referente à operação Kryptos, informou o jornal O Globo.

A exchange cripto Huobi entrou com uma ação civil contra Chen Boliang, ex-gerente sênior que supervisionava clientes institucionais da empresa em Hong Kong, noticiou o Financial Times. Ele é acusado de lucrar US$ 5 milhões com negociações ilícitas.

Na visão do Banco de Compensações Internacionais (BIS), as falhas estruturais das criptomoedas prejudicam sua adequação a um sistema monetário. Em relatório, o BIS diz que os sistemas monetários podem ser construídos em torno das moedas digitais de bancos centrais (CBDCs), com a ajuda da programação e tokenização.

Metaverso, Games e NFTs

A Socios.com, plataforma que já criou fan tokens para nove clubes de futebol no Brasil, agora está de olho em times de esportes eletrônicos no país. Segundo o portal NeoFeed, a empresa deve anunciar em breve um acordo com uma equipe brasileira de e-sports.

A startup brasileira BAYZ e a The Sandbox, uma das principais plataformas de metaverso, anunciaram uma parceria na terça-feira (21) durante o evento NFT.NYC. Juntas, BAYZ e The Sandbox trarão marcas de entretenimento do Brasil ao metaverso, incluindo música, moda, estilo de vida, cultura, arquitetura, esportes, celebridades, TV e mídia, de acordo com comunicado das empresas à Exame.

Metaverso e web3 serão temas de seminário promovido pela Folha e Itaú Cultural nos dias 4 e 5 de julho. O evento será transmitido ao vivo no site e no canal do jornal no YouTube. O público pode participar enviando perguntas por WhatsApp para o número (11) 99648-3478.

O cantor e compositor Nando Reis estreia no mercado de criptoativos com o lançamento nesta quarta-feira (22) de uma carteira digital que dará acesso a uma série de conteúdos exclusivos, como uma coleção de tokens não fungíveis relacionados à carreira do músico, conforme o Valor.

A International Digital Group presenteou na terça-feira a Federação Internacional de Basquetebol com a impressão em acrílico de alta qualidade do primeiro token não fungível vendido na história da organização, conforme o Estadão.

A Magic Eden, um marketplace de tokens não fungíveis na blockchain Solana, captou US$ 130 milhões com um valuation de US$ 1,6 bilhão – um aumento de aproximadamente dez vezes desde março, de acordo com dados de Avichal Garg, sócio-gerente da Electric Capital e investidor nas duas rodadas, citados pela Bloomberg.

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store