Coin News

MakerDAO, maior protocolo DeFi, aprova reformulação para ampliar descentralização

25 Oct, 20224 min readDeFi
MakerDAO, maior protocolo DeFi, aprova reformulação para ampliar descentralização

Os membros da comunidade do MakerDAO, o maior protocolo de finanças descentralizadas (DeFi), votaram para avançar com o plano do fundador Rune Christensen de revisar como o protocolo funciona e torná-lo mais descentralizado.

Os resultados, anunciados na segunda-feira (24), mostram que o MakerDAO deve se dividir em unidades menores e supostamente mais descentralizadas chamadas “MetaDAOs”.

Ao aprovar as medidas, os membros da comunidade rejeitaram a posição de um investidor importante, a empresa de capital de risco Andreessen Horowitz, tamém conhecida como a16z.

Os membros da comunidade também votaram para aprovar propostas de investidores institucionais, incluindo a gigante exchange de criptomoedas Coinbase, sobre planos de como alocar cerca de US$ 2 bilhões em ativos digitais no tesouro do protocolo. Eles também aprovaram um plano para acumular Staked Ether (stETH), um ativo sintético de ETH do protocolo Lido.

O MakerDAO é um dos primeiros e maiores protocolos de empréstimos descentralizados, muitas vezes rotulado como o banco central de criptomoedas. Também emite a stablecoin DAI de US$ 6 bilhões, cujo valor é respaldado por cerca de US$ 8 bilhões em ativos em sua reserva.

O protocolo é regido por uma organização autônoma descentralizada (DAO), onde os colaboradores gerenciam a plataforma e discutem as propostas de tomada de decisão em um fórum, e os proprietários do token de governança da plataforma, o Maker (MKR), votam para aprovar ou rejeitar cada proposta.

As últimas enquetes à comunidade fazem parte da tentativa do MakerDAO de tornar a plataforma mais descentralizada e resistente à censura, ao mesmo tempo em que coloca suas vastas reservas para gerar mais retornos, por meio do empréstimo de US$ 1 bilhão em ativos a investidores institucionais.

As propostas surgiram do ambicioso roadmap (roteiro) de Christensen chamado de “Plano Endgame”, que visava melhorar a tomada de decisões do protocolo e diversificar o lastro da stablecoin DAI, fugindo de ativos que poderiam ser sancionados ou banidos por governos.

O MakerDAO recebeu críticas por apostar demais na stablecoin centralizada USD Coin (USDC) em suas reservas depois que o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos bloqueou o mixer de criptomoedas Tornado Cash, em agosto – na visão de alguns, o mesmo poderia eventualmente acontecer com a Circle, emissora do USDC.

Controle mais rígido do fundador?

Com o resultado da votação de segunda (24), o MakerDAO está pronto para romper com sua estrutura atual com base em Unidades Estratégicas e criar clusters de gerenciamento independentes chamados “MetaDAOs”.

O plano inclui a cisão da Real-World Financial Core Unit, uma importante unidade do MakerDAO que supervisiona os empréstimos e trabalha na incorporação de ativos do mundo real, como títulos e títulos do Tesouro nas reservas do Maker, em um MetaDAO, separando-o do protocolo DAO.

Andreesen Horowitz (a16z), investidor no Maker e proprietário significativo de MKR, foi contra a reformulação, por tornar a estrutura atual mais eficiente, informou ao CoinDesk na semana passada.

Ainda assim, a esmagadora maioria, cerca de 80% dos eleitores, apoiou a proposta. Os resultados indicam que os eleitores apoiaram a visão do fundador de alcançar a descentralização.

“Alguns podem dizer que reafirma o controle rígido do fundador Rune Christensen sobre o MakerDAO”, disse Sebastien Derivaux, especialista em cripto bancário e colaborador do MakerDAO.

Movendo recursos para a Coinbase

Os eleitores também ratificaram a transferência de US$ 1,6 bilhão em stablecoin USDC das reservas do Maker para a Coinbase Prime, o braço de investimento institucional da exchange de criptomoedas. A transferência permite ao Maker obter um rendimento de 1,5% anuais sobre seus ativos.

Owen Lau, analista da casa de análise Oppenheimer, disse que a Coinbase se beneficiaria com a transferência. No entanto, isso não contribui tanto para melhorar a diversificação do USDC e tornar a plataforma mais resistente a possíveis censuras, disse David Shuttleworth, analista de DeFi da ConsenSys.

Outra proposta aprovada dá luz verde à transferência de outros US$ 500 milhões em USDC para um consórcio do hedge fund Appaloosa e da corretora de criptomoedas Monetalis, que o emprestaria à Coinbase. O empréstimo seria garantido por Bitcoin (BTC) e Ethereum (ETH) com um retorno anual esperado entre 4,5% e 6%.

Também foi aprovada a criação de um cofre para o sintético de ETH, o stETH, na reserva da DAI. A proposta permite que o Maker acumule mais stETH e diversifique os ativos da DAI.

Atualmente, o Maker detém US$ 8,6 bilhões em ativos em suas reservas, o que garante a paridade da DAI ao dólar. Mais da metade está em USDC, a stablecoin emitida pela Circle.

A ideia, contudo, não foi sempre essa. Anteriormente, o protocolo havia decidido investir US$ 500 milhões de suas reservas em títulos corporativos e títulos do governo para se afastar do USDC e tornar seu balanço mais eficiente.

Cadastre-se e descubra como surfar a Terceira Onda das Criptomoedas e entenda por que você deveria olhar agora para esse tipo de investimento

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store