Coin News

Latinos investem em média R$ 2.500 em criptomoedas

31 min ago3 min readBitcoin
Latinos investem em média R$ 2.500 em criptomoedas

A empresa global de monitoramento de mídias sociais Digimind divulgou um estudo que revela que o bitcoin é mais popular na Argentina que no Brasil durante conversas online.

O estudo, divulgado na última quarta-feira (2), procurava descobrir mais informações sobre o perfil das pessoas que compram criptomoedas na região da América Latina.

Um dos dados que o estudo mostra é sobre o uso de internet das pessoas durante a crise de 2020.

Com a chegada de novos usuários na internet, muitos dos quais estavam descontentes com a economia de seus países, foi possível conhecer o tema das criptomoedas, quando muitos se tornaram investidores.

Estudo diz que na Argentina o bitcoin é mais popular em redes sociais que no Brasil

Em um estudo da América Latina, ficou claro que a região é unânime ao buscar conhecer as criptomoedas por duas razões: desconfiança política e pessimismo econômico.

Com isso em mente, a Digimind divulgou seu estudo, que revelou pelo menos 10 tendências sobre as criptomoedas entre a população. Uma delas é o uso da Binance como a maior plataforma de criptomoedas, que a coloca como a referência da América Latina.

Outra que chama atenção é sobre o Twitter, plataforma recém adquirida por Elon Musk, que é a rede social mais utilizada para se conversar sobre criptomoedas.

O país onde o bitcoin é mais popular em conversas online na América Latina acaba sendo a Argentina, seguida pelo Brasil.

O México ocupa a terceira posição entre os diálogos virtuais, com a Colômbia e Chile completando o ranking dos cinco países onde as criptomoedas são mais populares entre internautas.

Latinos investem em média R$ 2.500 em criptomoedas

Uma das características em comum dos latino americanos observada pelo estudo é que muitos não possuem condições de poupar, ainda que busquem investimentos em imóveis.

Quando vão às compras de criptomoedas, é comum que a população invista em média US$ 500,00 ou menos, cerca de R$ 2.500,00.

Ao comprar uma criptomoeda, latinos consideram os ativos como uma reserva financeira ou um investimento de longo prazo.

“Os compradores de criptomoedas veem essa moeda como o financiamento do futuro e se identificam com este mundo, refletindo um sentimento de pertencimento. De acordo com os insights dos consumidores identificados nas conversas nas redes sociais, eles também veem a criptomoeda mais como um investimento do que como uma economia.”

Perfil de compradores de criptomoedas é jovem que não gosta de intervenção estatal na economia

Outra informação importante revelada pelo estudo da Digimind é sobre o perfil médio dos investidores. Segundo os dados, eles são homens jovens, com maior capacidade de poupança que os demais, de centro-direita e que não gostam de intervenção estatal na economia.

“O perfil do comprador de criptomoedas é jovem, com maior proporção de homens com maior capacidade de poupança, ideologicamente mais centro-direita e a favor de uma menor intervenção estatal na economia de seu país. Os compradores não são necessariamente anti-establishment, nem acreditam que as criptomoedas derrubarão os governos. A sua (des)confiança nos governos e na economia é semelhante ao resto.”

Sobre a volatilidade, o estudo revelou que muitos não entendem que ela seja um problema, mas sim uma característica do mercado das criptomoedas.

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store