Coin News

Hedera Hashgraph tem patente liberada: entenda os prós e contras na comparação com as blockchains | Opinião

51 min ago5 min readBlockchain
Hedera Hashgraph tem patente liberada: entenda os prós e contras na comparação com as blockchains | Opinião

Não é novidade que a tecnologia blockchain ganhou muita atenção nos últimos anos, surgindo como uma arquitetura inovadora para computação em rede. Ela permite a realização de tarefas digitais de forma descentralizada, segura e barata, tornando possíveis, inclusive, operações com moedas digitais independentes.

Assim surgiram inúmeros formatos de criptomoedas e aplicativos descentralizados (dApps) em blockchains, bem como vários modelos diferentes de blockchain, cada um com suas particularidades. No entanto, já existem alternativas estruturais também para as blockchains: são tecnologias de livro razão distribuído diferentes, conhecidas como DLTs (Distributed Ledger Technologies).

DLTs costumam prometer as mesmas propriedades entregues pelas blockchains, como descentralização e suporte a contratos inteligentes, mas com ainda mais segurança, velocidade, eficiência e paridade. É o que propõe a Hedera Hashgraph, uma DLT que vem se destacando como “a nova tecnologia que irá substituir as blockchains”.

Neste artigo, veremos quais são as características da Hedera Hashgraph, suas semelhanças e diferenças com as blockchains, como foi a recente venda de sua patente e como segue a sua moeda nativa, o HBAR.

O que é a Hedera Hashgraph?

A plataforma Hedera Hashgraph foi lançada em 2017 e é a única no mundo a utilizar o mecanismo de consenso “hashgraph”. Ela pertence à empresa Hedera, fundada pelo cientista da computação americano Leemon Baird e seu sócio Mance Harmon. A sede fica em Dallas, nos EUA.

Hashgraph é uma tecnologia de livro razão distribuído (DLT). Essa tecnologia foi inventada ainda em 2010 pelo próprio Leemon Baird e patenteada por sua empresa Swirlds.

A Hedera pertence e é administrada por um conselho de diretores de várias empresas globais, incluindo Google, Boeing, IBM, Deutsche Telekom, LG, Tata Communications, Électricité de France, FIS, University College London, Ubisoft, e muitas outras. Em janeiro de 2022, o conselho diretor votou pela compra do direito da patente da Swirlds para que o projeto pudesse ser transformado em software livre e código aberto (Licença Apache 2.0). Essa transição permitiria aumentar a participação da comunidade, a descentralização e crescimento do projeto e o desenvolvimento da tecnologia. Ela teve efeito oficialmente em 5 de agosto de 2022.

A criptomoeda HBAR

O token de governança da Hedera Hashgraph é a criptomoeda HBAR, negociada na data atual a US$ 0,0666. O preço se encontra cerca de 87% abaixo da máxima histórica de US$ 0,505302, de setembro de 2021. A volatilidade do HBAR acompanha os movimentos do Bitcoin, como é comum entre as criptomoedas. A capitalização de mercado é de US$ 1,53 bilhões.

Quais as semelhanças e diferenças entre Hedera Hashgraph e blockchains?

Tanto blockchains quanto a Hedera Hashgraph são DLTs, tecnologias de livro razão distribuído. Em suma, uma DLT é uma rede P2P de computadores que se intercomunicam a fim de atingirem um consenso. Cada nó dessa rede armazena uma cópia inteira e imutável do livro razão.

A mais popular das DLTs é a blockchain, a tecnologia que sustenta as maiores criptomoedas, como Bitcoin e Ethereum, bem como uma infinidade de outras moedas e redes públicas e privadas. Inicialmente, com a criação do Bitcoin, o objetivo das blockchains era registrar transações financeiras. Em seguida, surgiram alternativas capazes de registrar grandes volumes de dados e rodar aplicativos inteiros, como é o caso do Ethereum, Cardano, Solana, etc.

O hashgraph é um mecanismo de consenso diferente, utilizado na rede Hedera Hashgraph. Ele armazena dados através de grafos acíclicos dirigidos, e atinge o consenso por votação virtual e “fofoca sobre fofoca”. Isso faz com que menos dados precisem circular a cada transação, o que resulta em velocidades de até 500.000 transações por segundo. Comparativamente, a blockchain Ethereum 2.0 almeja alcançar 100.000 transações por segundo, e o Bitcoin é capaz de registrar apenas 7 por segundo.

O hashgraph é programado em Java e Lisp. Enquanto as blockchains se valem de criptografia e da arquitetura em blocos lineares para garantir que os dados sejam seguros e somente leitura, o hashgraph usa Tolerância a Falhas Bizantinas Assíncronas (aBFT). Ambas as configurações são seguras, mas a do hashgraph não permite mineração de criptomoedas, tirando o poder de seletividade dos nós validadores e distribuindo-o aleatoriamente entre todos os nós. Apesar da promessa de maior paridade, esse conceito é explicado de forma vaga no whitepaper da rede.

Conclusão

A perspectiva adotada pela Hedera Hashgraph para a realização de operações em livro razão distribuído é bastante diferente da usada por blockchains. Ela traz algumas soluções de design e arquitetura mais simples e eficientes para problemas já conhecidos das blockchains que surgiram anteriormente. Como resultado, a Hedera Hashgraph atinge velocidades muito altas sem o comprometimento da segurança.

Contudo, existem críticas quanto à efetividade da descentralização da rede, que é controlada por um grupo de empresas. Procurando diminuir esse entrave, o conselho diretor da Hedera liberou o uso e o código do hashgraph em agosto deste ano. Apesar de a moeda de governança, o HBAR, seguir em queda forte há vários meses, muitos investidores permanecem otimistas quanto ao futuro do projeto e à superioridade de seu design diante das blockchains clássicas.

Sobre o autor

Fares Alkudmani é formado em Administração pela Universidade Tishreen, na Síria, com MBA pela Edinburgh Business School, da Escócia. Naturalizado Brasileiro. Atua como Business Development Manager Brasil na Kucoin.

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store