Coin News

GBTC é o próximo cisne negro do mercado de criptomoedas? - 5 coisas para saber sobre Bitcoin esta semana

21 Nov, 202211 min readBitcoin
GBTC é o próximo cisne negro do mercado de criptomoedas? - 5 coisas para saber sobre Bitcoin esta semana

O Bitcoin (BTC) começa uma nova semana de novmbro em clima de deja vu, após mais um fechamento semanal mais baixo em dois anos.

A maior criptomoeda do mercado, assim como o restante da indústria, permanece altamente suscetível a riscos de queda, pois continua a lidar com as consequências da implosão da exchange FTX.

O contágio está na boca de todos à medida que novembro avança - assim como o colapso do Terra no meio do ano - os temores são de que novas vítimas do vórtice gigante de liquidez da FTX continuem a surgir.

As apostas são decididamente altas; o choque inicial pode ter passado, mas as consequências estão apenas começando a vir à tona.

Isso inclui questões além de apenas perdas financeiras, já que os legisladores tentam lidar com a FTX e colocam ênfase renovada na regulamentação urgente do Bitcoin e das criptomoedas.

Com isso, não é de admirar que a ação de preço dos criptoativos seja, na melhor das hipóteses, fraca – e há muitas vozes argumentando que o pior ainda está por vir.

O Cointelegraph analisa alguns dos principais fatores a serem lembrados esta semana quando se trata do desempenho do preço do BTC.

Contágio da FTX se volta ao GBTC

Enquanto as nuvens giram sobre o destino dos executivos e ex-CEO da FTX, Sam Bankman-Fried, comentaristas e investidores do mercado de criptomoedas estão se perguntando onde o contágio acontecerá a seguir.

O sentimento sugere que todos estão esperando o pior. Um exemplo disso é a Genesis Trading, parte do conglomerado Digital Currency Group (DCG), que na semana passada interrompeu os pagamentos em seu braço de empréstimos cripto.

Isso não apenas desencadeou uma série de rumores sobre a solvência da Genesis, mas também sobre o futuro da DCG. As declarações dos executivos do conglomerado falharam em conter a narrativa, que também atingiu o maior veículo institucional de investimento em Bitcoin, o Grayscale Bitcoin Trust (GBTC).

Assim, no fim de semana, um crescente debate sobre o GBTC se transformou em um pânico total sobre a esabilidade financeira.

Como o Cointelegraph relatou, o sentimento negativo foi agravado pela recusa da Grayscale em fornecer detalhes que comprovem suas reservas de BTC, supostamente por motivos relacionados à segurança.

As suspeitas sobre US$ 1 bilhão devido pelo DCG à Genesis aumentam o caldeirão de dúvidas.

Ao mesmo tempo, alguns investidores eminentes aumentaram suas posições no GBTC nas últimas semanas.

“O próximo cisne negro GBTC já está chegando?”, questionou o perfil do recurso de negociação Stockmoney Lizards no Twitter:

“O GBTC detém ~ 648k BTC. O desconto da Grayscale bateu recorde de 43%, já que a FTX espalha grande incerteza. Muita histeria no mercado e todo mundo está procurando para o Bitcoin chegar a 10k. Mantenha a calma, os mercados de baixa terminam no inverno!”

Outra disputa está focada no desconto do GBTC em relação ao preço à vista do Bitcoin, que agora está quase em 50% pela primeira vez na história.

Arthur Hayes, ex-CEO da exchange BitMEX, até relembrou uma postagem de julho que dizia que o DCG havia trabalhado com a extinta empresa de trading Three Arrows Capital (3AC) para “extrair valor do prêmio do GBTC”.

Tendo garantido a legitimidade da Grayscale na semana passada, a Coinbase era o alvo potencial de Timothy Peterson, gerente de investimentos da Cane Island Alternative Advisors.

“Para todos os questionadores do $GBTC e da Grayscale: Por que não vender $COIN @coinbase?” ele desafiou no Twitter:

“Eles são os custodiantes e seriam eles que podem ter cometido fraudes. COIN equivale a 10x o tamanho do GBTC; as ações iriam a 0 e os executivos iriam para a prisão. Você ficaria rico e sairia de férias.”

Enquanto isso, Mike Belshe, CEO da BitGo, colocou a culpa pela situação do GBTC - e da FTX - firmemente na conta dos reguladores dos EUA, especialmente a Comissão de Valores Mobiliários (SEC).

“Ao não criar um ETF para bitcoin, a SEC: - permitiu que a Gerayscale -> GBTC negociasse para rasgar o varejo por mais de 5 anos - criou o prêmio negativo do GBTC - forçou a maioria das negociações de criptomoedas a se basearem fora da jurisdição dos EUA - deixou a fraude da FTX atingir milhões de norte-americanos que não deveriam ter sido atingidos”, resumiu ele em parte de uma discussão no Twitter.

Nos desenvolvimentos relacionados à FTX, os fundos hackeados da exchange estão em movimento, com dezenas de milhares de Ether (ETH) convertidos em BTC neste fim de semana.

Risco de queda em números

O Bitcoin está compreensivelmente entre a cruz e a espada nas circunstâncias atuais.

O par BTC/USD não para de cair desde que a FTX implodiu, testando níveis não vistos em dois anos e atendendo a pedidos crescentes por mais capitulação.

A questão para traders e analistas é até onde essa capitulação pode ir.

Como o Cointelegraph relatou, as metas incluem US$13.500, US$12.000, US$10.000 ou até menos neste inverno.

A situação não melhorou com o último fechamento semanal, o mais fraco do Bitcoin desde novembro de 2020, em cerca de US$ 16.250, com novas perdas aparecendo desde então, mostram dados do Cointelegraph Markets Pro e da TradingView.

“Volume diminuindo. Bandas de Bollinger espremidas em muitos prazos. Algo tem que ceder”, alertou o analista Matthew Hyland antes do fechamento semanal.

Uma olhada na volatilidade no gráfico diário mostrou que as Bandas de Bollinger está se expandindo com o preço testando a banda inferior no momento da redação deste artigo em 21 de novembro - uma sugestão de que níveis mais baixos em meio ao aumento da volatilidade estão por vir.

Os alvos de alta de curto prazo, no entanto, incluíram um retorno à discrepância dos contratos futuros de Bitcoin da CME (Bolsa Mercantil de Futuros de Chicago), de US$ 16.500.

O colega trader e analista Crypto Tony também pediu moderação sobre o sentimento de baixa no BTC/USD, apesar do par estar sendo negociado abaixo de US$ 16.000.

“Procurando um fechamento abaixo das mínimas da faixa antes de começar a ficar animado para vender”, disse ele aos seus seguidores no Twitter:

“No momento, ainda estamos no mesmo barco dos últimos dias, na verdade... Paciência.”

Enquanto isso, Aksel Kibar adotou uma perspectiva mais conservadora, alertando que a história pode se repetir e o Bitcoin pode repetir as perdas do início do ano.

Um dos dois gráficos apresentados no Twitter foram descritos como um “lembrete sobre a última consolidação e a possibilidade de se tornar um padrão gráfico de continuação de baixa.”

Kibar havia argumentado anteriormente que “quanto mais tempo o preço permanecer abaixo de 18.000, maiores serão as chances” de um retorno a US$ 13.000.

Recuo da Inflação passa batido pelo Bitcoin

Embora a inflação tenha sido o principal tópico de atenção para qualquer pessoa envolvida com ativos de risco em 2022, a questão ficou em segundo plano para as criptomoedas no momento.

A FTX e o contágio que se seguiu pressionaram o desempenho dos preços de forma mais aguda do que os gatilhos macro do ano em prazos curtos, mas nos bastidores, o quadro econômico global está fornecendo sinais interessantes.

A inflação nos EUA já parecia estar retrocedendo. Novos números da Europa sugerem que a maior economia da zona do euro, a Alemanha, agora está seguindo o mesmo caminho.

Os dados do Índice de Preços ao Produtor (PPI) divulgados em 21 de novembro ficaram abaixo das expectativas do mercado e até recuaram, tornando-se negativos em vez de crescerem ainda mais.

“Em comparação com setembro de 2022, os preços ao produtor caíram 4,2% em outubro de 2022. Esta foi a primeira queda mensal desde maio de 2020 (-0,4% em abril de 2020)”, afirmou um comunicado oficial à imprensa.

Caso o quadro de inflação mude drasticamente para melhor, as chances de recuperação dos ativos de risco devem aumentar na mesma proporção. Enquanto isso, o dólar continua lutando, com as máximas anteriores de vinte anos ainda fora de alcance.

Para o popular recurso de análise Game of Trades, é “game over” para o índice do dólar (DXY), que rompeu sua média móvel de 100 dias pela primeira vez desde abril de 2021.

Dificuldade registra nova máxima de todos os tempos à medida que as vendas de mineradores esfriam

Mesmo as máximas de todos os tempos, em vez das mínimas, estão tendo problemas para ganhar aceitação entre os Bitcoiners no clima atual.

No limite, o Bitcoin está ocupado expandindo a segurança da rede - mas persistem dúvidas sobre os números.

No último reajuste automatizado em 20 de novembro, a dificuldade da rede Bitcoin aumentou 0,51% para atingir um novo recorde.

A dificuldade de mineração é um reflexo da competição entre os mineradores. Atualmente, a métrica está aumentando, apesar da queda do preço do BTC, o que, por sua vez, sugere que algumas entidades estão implantando mais poder de hash na rede e são capazes de ignorar as margens de lucro decrescentes.

Para mineradores menos resilientes, no entanto, a “capitulação” pode ocorrer, alertam alguns. Reagindo à nova alta da dificuldade, Colin Talks Crypto a chamou de “tempestade perfeita” para a revolta dos mineradores.

“Apenas os mais fortes sobreviverão a essa pressão extrema”, acrescentou.

Apesar disso, os mineradores têm vendido menos em relação à média de um ano nos últimos dias, indicando uma potencial redução na necessidade imediata de liquidação de reservas.

Os dados da plataforma de análise on-chain Miner Position Index (MPI) da CryptoQuant mostram um pico após a falência da FTX e agora uma volta à normalidade.

Cronometrando o fundo

Aqueles que vivenciaram o último mercado de baixa das criptomoedas estão se preparando para um longo e prolongado retorno à glória.

O par BTC/USD encontra-se agora em um número adequado de semanas após seu último recorde histórico para consolidar em um novo fundo macro, mostra a popular conta do Twitter Moustache.

Aos 30 meses, de fato, o tempo já é maior do que em comparação com 2018 e 2014.

Moustache também sinalizou que o indicador de pontuação MVRV-Z do Bitcoin está se aproximando dos níveis de cada fundo macro.

“Todo mundo está se perguntando onde pode estar o fundo do Bitcoin. O MVRV Z-Score sempre provou ser muito preciso no passado e pode responder a esta pergunta”, escreveu ele ao lado de uma captura de tela do gráfico MVRV-Z Score:

“Sempre que o Z-Score caiu do canal verde, o fundo chegou para o $BTC. Estavam muito perto."

Comparando prazos de quatro anos atrás, quando o par BTC/USD atingiu o fundo de US$ 3.100 em dezembro de 2018, a conta Bleeding Crypto, por sua vez, disse que a ação do preço está apenas começando seu processo de fundo.

“Você sabia que demorou 5 semanas para finalmente chegar ao fundo quando começamos a capitular em 2018?”, questionou:

“Então levou 4 meses de TÉDIO antes de vermos a primeira vela de Deus. Mal começamos a semana 2 hoje. Esta é uma maratona, não um sprint. Fique confortável, vai demorar um pouco."

As visões e opiniões expressas aqui são exclusivamente do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Cointelegraph.com. Cada movimento de investimento e negociação envolve risco, você deve conduzir sua própria pesquisa ao tomar uma decisão.

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store