Coin News

Fundadores da HashFlare são presos em um esquema de fraude 'espantosa' cripto de US$ 575 milhões

58 min ago3 min readOther
Fundadores da HashFlare são presos em um esquema de fraude 'espantosa' cripto de US$ 575 milhões

Os dois fundadores da agora extinta mineradora de nuvem Bitcoin HashFlare foram presos na Estônia por seu suposto envolvimento em uma conspiração de fraude cripto de US$ 575 milhões.

A HashFlare era uma empresa de mineração em nuvem criada em 2015, que pretendia permitir que os clientes alugassem o poder de hash da empresa para minerar criptomoedas e obter uma parte equivalente de seus lucros.

A empresa era vista como um dos principais nomes do setor na época, mas encerrou grande parte de suas operações de mineração em julho de 2018.

No entanto, de acordo com uma declaração do Departamento de Justiça dos Estados Unidos citando documentos judiciais, toda a operação de mineração, dirigida pelos fundadores Sergei Potapenko e Ivan Turõgin, fazia parte de um “esquema multifacetado” que “defraudou centenas de milhares de vítimas.”

Isso incluiu convencer as vítimas a entrar em “contratos fraudulentos de aluguel de equipamentos” por meio da HashFlare e persuadir outras vítimas a investir em um banco de moeda digital falso chamado Polybius Bank.

A dupla também é acusada de conspirar para lavar seus “produtos criminais” por meio de 75 propriedades, seis veículos de luxo, carteiras de criptomoedas e milhares de máquinas de mineração de criptomoedas.

O procurador dos EUA, Nick Brown, do Distrito Oeste de Washington, chamou o tamanho e o escopo do suposto esquema de "verdadeiramente surpreendente".

“Esses réus capitalizaram tanto o fascínio da criptomoeda quanto o mistério em torno da mineração de criptomoedas para cometer um enorme esquema Ponzi”, disse ele.

Os fundadores da HashFlare foram acusados ​​de conspiração para cometer fraude eletrônica, 16 acusações de fraude eletrônica e uma acusação de conspiração para cometer lavagem de dinheiro usando empresas de fachada e faturas e contratos fraudulentos, e podem pegar até 20 anos de prisão se condenados.

Dois cidadãos estonianos presos em esquema de fraude de criptomoeda e lavagem de dinheiro de US$ 575 milhões — Divisão Criminal (@DOJCrimDiv) 21 de novembro de 2022

A empresa controladora da HashFlare, a HashCoins OU, foi fundada por Potapenko e Turõgin em 2013, enquanto a HashFlare lançou serviços de mineração em 2015. Inicialmente, oferecia contratos para SHA-256 Bitcoin (BTC) e scrypt. As opções ETHASH Ether (ETH), Dash (DASH) e Zcash (ZEC) logo se seguiram.

De acordo com a acusação, a dupla alegou que a HashFlare era uma “operação massiva de criptomineração”. No entanto, alega-se que a empresa estava minerando a uma taxa de menos de 1% do que alegou e estava pagando saques comprando Bitcoin de terceiros, em vez de ganhos com operações de mineração.

Em julho de 2018, a HashFlare anunciou a suspensão dos serviços de mineração BTC, alegando dificuldade em gerar receita em meio às flutuações do mercado.

Os clientes não foram reembolsados ​​pelo restante das taxas contratuais anuais, que haviam pago antecipadamente. Outros criptoativos disponíveis no portfólio da plataforma continuaram operando normalmente.

Alegações de que a empresa era fraudulenta foram feitas, mas nunca provadas em caráter oficial.

A última comunicação pública da HashFlare veio em 2019 por meio de uma postagem de 9 de agosto, onde eles anunciaram que estavam suspendendo a venda de contratos de ETH porque a “capacidade atual foi esgotada”.

A empresa prometeu retomar as atividades em um “futuro muito próximo” e provocou novos anúncios, mas nada foi divulgado publicamente sobre o que havia acontecido e a HashFlare desapareceu silenciosamente.

O FBI agora está investigando o caso e buscando informações de clientes que optaram pelos supostos esquemas fraudulentos da HashFlare, HashCoins OU e Polybius.

As 18 acusações do suposto envolvimento de Potapenko e Turõgin foram devolvidas por um grande júri no Distrito Oeste de Washington em 27 de outubro e aberta em 21 de novembro.

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store