Coin News

FTX, Genesis, Bear Market, MT Gox e baleias provam que o Bitcoin não tem nada a ver com 'ouro digital', destaca S&P Global

1 h ago3 min readBitcoin
FTX, Genesis, Bear Market, MT Gox e baleias provam que o Bitcoin não tem nada a ver com 'ouro digital', destaca S&P Global

A visão das criptomoedas, especialmente o Bitcoin (BTC) cumprindo um papel semelhante ao ouro, como uma reserva de valor para enfrentar crises econômicas, permanece sendo uma ilusão, segundo um novo relatório da S&P Global.

Além dos recentes casos, como o da FTX, que mostraram a fragilidade do mercado, o relatório aponta que a maior volatilidade e os retornos dos criptoativos continuam a distingui-los mais como um ativo de alta recompensa do que como uma reserva de valor.

A análise, parte do relatório A Deep Dive Into Crypto Evaluation, observa que o preço do ouro aumentou mais de 40% de meados de 2019 a meados de 2020, pois muitos investidores fizeram a transição para o ouro em resposta à pandemia. De acordo com a S&P Global, o Bitcoin, no entanto, não apresentou uma tendência clara no mesmo período.

Mais recentemente, embora o preço do ouro tenha subido em 2022, um ano indiscutivelmente marcado pelo aumento do risco geopolítico, não houve um aumento na procura e no preço do Bitcoin, pelo contrário a criptomoeda perdeu quase 80% levando diversas empresas do mercado a falência devido problemas de liquidez e má administração.

“À medida que os temores de inflação se intensificam e os índices de inflação tendem, sem dúvida, para cima, e como a escassez da cadeia de suprimentos, as preocupações com energia e a incerteza da guerra continuam a crescer, o preço do Bitcoin caiu para seu nível mais baixo desde novembro de 2021, enquanto o ouro, após uma alta durante o primeiro trimestre, média superior aos níveis pré-pandêmicos (por exemplo, julho de 2019)”, diz o relatório.

Nada de 'ouro digital'

O relatório, A Deep Dive Into Crypto Evaluation compara vários criptoativos entre si e com ativos mais tradicionais e comparando as criptomoedas com os índices S&P 500 e NASDAQ, o relatório revela que os retornos diários das criptomeodas exibem maior volatilidade e não uma correlação significativa com as ações (apesar de um aumento na correlação nos últimos meses).

“A falta de comparabilidade entre criptoativos e ações não é surpreendente, uma vez que os motivadores para a avaliação de criptomoedas são diferentes”, diz Cristina Polizu, diretora-gerente, Metodologias, S&P Global Ratings e uma das principais autoras do relatório.

Embora as criptomoedas não rastreiem ações, o relatório constata que elas mostram uma notável correlação histórica de retorno umas com as outras (excluindo stablecoins).

“Apesar do fato de que a gênese de cada moeda é independente uma da outra e do fato de terem sido criadas em diferentes plataformas usando diferentes protocolos e em diferentes momentos, nossa análise mostra (desde 2018) correlação moderada a alta entre os criptomoedas, excluindo stablecoins”, diz o relatório.

Por fim, o relatório observa que, embora as stablecoins (como Tether, USDC e Dai) sejam menos voláteis do que outros criptoativos, elas ainda exibem maior volatilidade do que as moedas fiduciárias tradicionais e, historicamente, têm uma baixa correlação com elas.

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store