Coin News

Expansão da rede do Bitcoin para o espaço favorece privacidade dos usuários, diz Adam Back

17 Oct, 20223 min readBitcoin
Expansão da rede do Bitcoin para o espaço favorece privacidade dos usuários, diz Adam Back

Adam Back, o cofundador da Blockstream, deu um tempo nos painéis e debates da Bitcoin Amsterdam, uma conferência dedicada a maior criptomoeda do mercado realizada na Holanda, para conversar com o Cointelegraph.

Empoleirado em uma mesa de parque em meio a tulipas e bicicletas, o homem por trás do algoritmo de prova de trabalho desafiou o Cointelegraph para um jogo de Jenga e defendeu o envio de envio de Bitcoin para o espaço. Uma das poucas pessoas citadas por Satoshi Nakamoto no white paper do Bitcoin (BTC), Back também discutiu sua infância e suas primeiras interações com computadores. O vídeo será publicado em breve no canal do Cointelegraph no Youtube.

Mas por que precisamos do blockchain do Bitcoin - uma rede ponto a ponto descentralizada já protegida por nós na Terra - no espaço? Os alienígenas precisam do Bitcoin da mesma forma que os humanos? Back brincou com o Cointelegraph com indiferença:

“Bem, quero dizer, existem algumas razões [para ter Bitcoin no espaço]. Em primeiro lugar, porque é legal, e você pode.”

No entanto, também pode trazer benefícios em termos de privacidade: “Você pode receber os dados anonimamente porque eles são transmitidos, e basicamente ninguém pode dizer que você está recebendo. Então isso é bom para a privacidade”, continuou Back, momentos antes de vencer o jogo de Jenga.

Além disso, ter Bitcoin no espaço também é “bom para as empresas porque elas realmente precisam ter certeza de que estão na blockchain certa. Se houver um problema de rede local ou se um roteador for invadido”, a conexão via satélite do Bitcoin garante que as empresas possam continuar a fazer transações e a usar a blockchain do Bitcoin sem impedimentos.

De fato, as notícias estão repletas de informações sobre governos e grupos com intenções de inibir o acesso ao Bitcoin e outras atividades relacionadas a criptomoedas; portanto, ter uma conexão com um protocolo Bitcoin via satélite é inestimável uma vez que permite uma maior resistência à censura.

Para os habitantes do hemisfério sul, o argumento para conectar e baixar o backlog de dados do Bitcoin para sincronizar um nó é o preço. Considerando que no mundo desenvolvido, o custo de download e sincronização do núcleo Bitcoin pode ser insignificante:

“Para os mercados emergentes, o custo de uma conexão à Internet rápida o suficiente para acompanhar o Bitcoin é realmente caro em comparação com os salários médios da região.”

Back explicou que você pode sincronizar um nó sem custo no mundo em desenvolvimento usando os satélites da Blockstream. Embora o processo seja sem dúvida mais lento - levando uma ou duas semanas para cada nova atualização - isso significa que a barreira de entrada para participar do protocolo Bitcoin tende a cair cada vez mais.

Por fim, Back ainda está muito otimista em relação ao Bitcoin. Em uma publicação postada no Twitter na manhã de segunda-feira, o matemático compartilhou que o Bitcoin se multiplicará “conservadoramente” 10x nos próximos cinco anos. Isso significa que o preço do Bitcoin chegaria a mais de US$ 200.000 antes de 2027.

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store