Coin News

Por que Ethereum e Solana disparam apenas na FTX?

10 Nov, 20225 min readEthereum
Por que Ethereum e Solana disparam apenas na FTX?

O token nativo da rede Ethereum (ETH) e o SOL, da Solana, estão sendo negociados a preços mais altos na FTX, exchange que entrou em colapso de liquidez, em relação à Binance e outras plataformas. A dinâmica incomum do mercado tem levantado dúvidas entre investidores, que buscam por uma explicação.

Por volta das 7h (horário de Brasília), o Ethereum era negociado com um prêmio de 4,5% (US$ 52) na FTX em comparação com a Binance, de acordo com dados da plataforma de gráficos TradingView. Enquanto isso, o SOL era negociado com prêmio de quase 11% (US$ 2). Um prêmio semelhante era visto em contratos futuros perpétuos da FTX e vinculados ao Bitcoin (BTC) e ao ETH.

De acordo com Markus Thielen, chefe de pesquisa e estratégia na Matrixport, esse prêmio é resultado da troca de posições dos clientes da FTX de dinheiro e stablecoins por criptomoedas com maior valor de mercado, após a exchange impedir seus clientes de assumir a custódia direta de recursos de clientes (em cripto e dinheiro) e sinalizar uma possível falência.

Os clientes, portanto, já estariam visando obter vantagem em face a um possível processo de recuperação judicial.

“Embora os preços da FTX possam não estar mais alinhados com os de outras exchanges, os procedimentos tradicionais de falência sempre favorecem os detentores de ativos sobre aqueles de dinheiro (caixa), pois os ativos devem ser atribuídos aos usuários”, disse Thielen ao CoinDesk.

Leia também

Venture capital

De Softbank a SkyBridge: quem são investidores e investidos da FTX que estão expostos à crise

Braço de VC da FTX investiu em alguns dos maiores projetos cripto; ao mesmo tempo, fundos como Softbank aportaram na corretora

“Portanto, os usuários com ativos presos na FTX podem estar colocando seu dinheiro em tokens importantes na esperança de recuperar algum valor, dado que seu nome seria/deveria ser atribuído a esse ativo”. “É por isso que o ETH está sendo negociado com prêmio”, completa.

Em outras palavras, é mais provável que os usuários recebam algum valor se detiverem criptoativos do que dinheiro ou equivalentes. E isso provavelmente está levando os traders da FTX a comprarem criptos, levando a preços relativamente mais altos na exchange.

Os problemas da FTX começaram no início desta semana depois que a Binance decidiu liquidar suas participações no token nativo da FTX, o FTT. O movimento aconteceu em resposta a uma matéria do CoinDesk, que mostrou que a empresa-irmã da FTX, a Alameda Research, mantinha grandes quantidades de tokens FTT ilíquidos em seu balanço.

Na terça-feira (8), a Binance se ofereceu para resgatar a FTX, mas voltou atrás no acordo no dia seguinte. O CEO da FTX, Sam Bankman-Fried, disse aos investidores que, sem uma injeção de dinheiro, a empresa pode ter que declarar falência.

Resgates sintéticos

Para alguns observadores da indústria, o prêmio da FTX nos mercados perpétuos resulta, na verdade, de clientes que executam “saques sintéticos” da exchange.

Os usuários estão supostamente fazendo uma retirada sintética ao comprarem contratos perpétuos (futuros sem data de vencimento) de ETH e SOL na FTX e, ao mesmo tempo, operarem vendidos (apostando na queda) em um valor igual na Binance, criando uma posição neutra de mercado. Dessa forma, os usuários obtêm a custódia de seus fundos, pelo menos no papel, e ficam protegidos contra uma queda prolongada de preços.

“É uma jogada de saque sintético. A tese é que, se a FTX falir, os mercados caem e os usuários são pagos em suas posições vendidas fora da exchange, mesmo que o saldo da FTX se torne inútil”, disse Lewis Harland, gestor de portfólio da Decentral Partk Capital, ao CoinDesk.

O hedge fund cripto Galois Capital, que previu a turbulência do projeto Terra (LUNA) no início deste ano, tem uma opinião semelhante.

Leia também

Crise no setor

Não temos exposição a FTX e Alameda, afirma gestora Hashdex

Um dos ETFs da casa, porém, tem na cesta de ativos a Solana, que cai 50% só nesta semana

“Se houver um acordo de aquisição [da FTX], você fica praticamente estável (perde um pouco na base). No caso de um fracasso na aquisição, as perdas na FTX não importam muito, porque você não pode sacar seu dinheiro de qualquer forma, mas você ganha com a posição vendida da Binance”, publicou Galois, no Twitter.

A suposição dos especialistas é que uma potencial falência da FTX desencadeará outra onda de liquidações no mercado. E que, por outro lado, se a FTX garantir um financiamento, os clientes ficarão cobertos. No entanto, nenhum dos cenários está garantido.

Depois que a Binance desistiu de um acordo de resgate, os investidores podem ter começado a precificar uma possível falência. Mas, os mercados podem subir assim que a falência for confirmada em uma negociação clássica de “compre o boato, venda o fato” (nesse caso, invertida), gerando perdas em trades fora da FTX apostando na queda de preços.

Além disso, um trader pode ser liquidado em ambas as exchanges devido à alta volatilidade. As liquidações ocorrem quando o mercado vai contra a posição, seja de alta ou baixa, levando à escassez de margem.

De acordo com a Galois Capital, a estratégia parece ser a mais adequada para um token como o SOL, que geralmente se sairia mal independentemente do resultado (com ou sem resgate da FTX).

“Como o valor atual do SOL é a superposição dos mundos de resgate e não resgate [da FTX], se acabar havendo um acordo, o SOL deve ter um rali de curto prazo e, se acabar não havendo, deve cair”, disse a Galois Capital.

Cadastre-se e saiba como utilizar o melhor das estratégias usadas pelos maiores investidores do mundo para aumentar seu patrimônio

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store