Coin News

Consumo de energia do Ethereum desaba 99,99% após a Fusão

16 Sep, 20223 min readEthereum
Consumo de energia do Ethereum desaba 99,99% após a Fusão

A tão esperada Fusão do Ethereum, concluída com sucesso na madrugada desta quinta-feira (15), foi projetada para reduzir drasticamente o consumo geral de energia da rede blockchain – e aparentemente ela fez exatamente isso.

De acordo com um relatório inicial, as necessidades de energia e a pegada de carbono do Ethereum caíram ainda mais do que o previsto.

O relatório, encomendado ao Crypto Carbon Ratings Institute (CCRI) pela empresa análise ConsenSys, afirma que o Ethereum agora usa aproximadamente 99,99% menos energia do que antes da conclusão da Fusão. Também sugere que a pegada de carbono da rede também caiu pouco mais de 99,99%.

Anteriormente, a Ethereum Foundation estimava que a fusão reduziria o uso de energia da rede em aproximadamente 99,95%, citando estimativas de consumo de energia do Digiconomist, um site do famoso crítico de criptomoedas Alex de Vries. Nesta semana, a própria Digiconomist afirmou que o número real provavelmente seria de 99,98%.

Redução drástica no gasto de energia

De acordo com o relatório CCRI, o consumo geral de eletricidade da Ethereum agora é de apenas 2.600 megawatts-hora por ano, em comparação com 23 milhões de megawatts-hora antes da fusão. Como resultado, as emissões anuais estimadas de carbono da Ethereum caíram de mais de 11 milhões de toneladas para pouco menos de 870 – menos do que o total combinado de 100 casas americanas médias, de acordo com o órgão regulador de poluição dos EUA.

Em um comunicado hoje, o cofundador e CEO da CCRI, Uli Gallersdörfer, disse que as “credenciais verdes” da Ethereum agora estão no mesmo nível de outras redes blockchain energeticamente eficientes que usam o modelo de consenso de proof-of-stake (PoS), como o que o Ethereum acaba de adotar.

Enquanto isso, o comunicado da ConsenSys descreveu a Fusão como a “maior descarbonização da história da tecnologia”. Mas há uma ressalva importante.

Embora a Ethereum aparentemente tenha eliminado a grande maioria de seu impacto ambiental, muitos ex-mineradores da Ethereum – ou seja, pessoas que administravam computadores poderosos para proteger a rede e ganhar recompensas ETH – simplesmente passaram a minerar criptomoedas em outras redes.

Os principais pools de mineração Ethereum – que agrupam recursos de vários usuários – disseram que, em vez disso, minerarão na rede EthereumPoW (ETHW), que foi bifurcada da rede principal da Ethereum antes da fusão. Ainda não se sabe se a ETHW mantém o interesse de longo prazo, mas no curto prazo, alguns ex-mineradores de Ethereum esperam lucrar nesse espaço.

Enquanto isso, redes blockchain existentes como Ethereum Classic (ETC), Ravencoin (RVN) e Ergo (ERG) viram taxas de hash crescentes após a fusão, o que novamente provavelmente significa que os mineradores mudaram suas poderosas plataformas de uma rede para outra.

Em outras palavras, grandes quantidades de energia ainda estão sendo gastas na mineração de criptomoedas – seja para Bitcoin, uma ramificação do Ethereum ou outra moeda que dependa de um modelo de prova de trabalho. Simplesmente não está mais vinculado ao próprio Ethereum, o que deve ajudar a rede a eliminar as preocupações ambientais, que continuarão vinculadas ao Bitcoin e outras criptomoedas.

*Traduzido com autorização do Decrypt.co.

Esse é o melhor momento da história para investir em cripto! E agora, você pode ter acesso a um curso exclusivo com os maiores especialistas em cripto para aprender os fundamentos e as técnicas que te ajudam a navegar nas altas e baixas do mercado. Inscreva-se aqui

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store