Coin News

Compra de ouro por Bancos Centrais chega ao nível mais alto desde 1967

2 h ago4 min readBitcoin
Compra de ouro por Bancos Centrais chega ao nível mais alto desde 1967

A compra de ouro por Bancos Centrais do mundo continua a todo vapor em 2022, com as aquisições do metal precioso desde janeiro atingindo o nível mais alto visto em mais de 50 anos.

De acordo com o novo relatório do World Gold Council divulgado na terça-feira (1º), as compras globais de ouro por bancos centrais, entre julho e setembro deste ano, saltaram para quase 400 toneladas, uma quantia que representa um crescimento de 115% em comparação ao trimestre anterior.

As aquisições no último trimestre também resultaram em um novo recorde ao fazer o acumulado de ouro comprado desde o início do ano chegar a 673 toneladas, um número maior do que qualquer outro total anual desde 1967.

Os principais responsáveis por esse salto são os bancos centrais da Turquia, Uzbequistão e Catar. O Brasil, que foi o terceiro país do mundo que mais comprou ouro em 2021, não realizou novas compras em 2022 e por isso não foi citado no estudo.

De qualquer forma, as compras de ouro por outros países no último trimestre foram quase o dobro do recorde anterior de 241 toneladas, registrado no terceiro trimestre de 2018.

“Este é o maior trimestre único de demanda deste setor em nossos registros desde 2000. Também marca o oitavo trimestre consecutivo de compras líquidas”, aponta o World Gold Council, uma associação mundial de especialistas da indústria do ouro.

“O nível de demanda oficial do setor no terceiro trimestre é a combinação de compras constantes relatadas pelos bancos centrais e uma estimativa substancial para compra não informada. Isso não é incomum, pois nem todas as instituições oficiais relatam publicamente suas participações em ouro ou podem fazê-lo com um atraso”, explica o estudo.

O crescimento da demanda por ouro

O World Gold Council aponta que o recente aumento nas compras de ouro no mundo está motivado por diferentes fatores e que varia dependendo do perfil do comprador.

“A demanda de investimento [em ouro] diverge em diferentes prioridades. Investidores de varejo compraram ouro como reserva de valor em meio ao aumento da inflação global, enquanto os investidores de ETF reduziram suas participações diante do aumento das taxas de juros globais.”

Os especialistas apontam que a demanda de ouro por bancos centrais continuam superando as expectativas, principalmente entre os bancos de mercados emergentes, indicando ainda que há potencial de mais compras até o final do ano.

A Turquia lidera o setor sendo a maior compradora de ouro no ano. Ao adquirir mais 31 toneladas do metal precioso no terceiro trimestre, o país elevou suas reservas para 489 toneladas, fazendo com que o ouro represente 29% de suas reservas totais.

Outros países como Uzbequistão, Qatar, Moçambique, Filipinas e Mongólia também foram compradores notáveis de ouro ​​no último trimestre, enquanto os bancos centrais do Cazaquistão e Emirados Árabes Unidos foram os únicos que venderam ouro no período.

“Não é incomum que os bancos centrais que compram ouro de fontes domésticas oscilem entre comprar e vender”, explica o World Gold Council, ressaltando no entanto que a força de compra está superando a de venda.

“A tendência contínua da demanda oficial do setor por ouro corrobora os resultados de nossa pesquisa anual do banco central de 2022, na qual um quarto dos entrevistados declarou sua intenção de aumentar as reservas de ouro nos próximos 12 meses.”

Quer negociar mais de 200 ativos digitais na maior exchange da América Latina? Conheça o Mercado Bitcoin! Com 3,8 milhões de clientes, a plataforma do MB já movimentou mais de R$ 50 bilhões em trade in. Crie sua conta grátis!

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store