Coin News

Clientes da Voyager negam bônus de “retenção” para funcionários da plataforma cripto falida

22 Aug, 20224 min readOther
Clientes da Voyager negam bônus de “retenção” para funcionários da plataforma cripto falida

Os credores da plataforma de cripto falida Voyager Digital são contra o pagamento de “prêmios de retenção” aos funcionários da empresa, de acordo com um novo documento legal divulgado na sexta-feira (19).

A Voyager, que está atualmente passando por um processo de falência no Tribunal de Falências dos Estados Unidos para o Distrito Sul de Nova York, pediu a um juiz federal que aprovasse US$ 1,9 milhão de seus fundos para um “Plano de Retenção de Funcionários-Chave”. Segundo a empresa, o objetivo é pagar bônus para 38 funcionários considerados “vitais” para a sua operação e reestruturação.

Na sexta-feira, o Comitê de Credores Não-segurados – um grupo de clientes da Voyager – se opôs, dizendo que os funcionários da plataforma cripto “já são bem remunerados” e argumentando que a empresa fez pouco até o momento para reduzir os custos.

“Os Devedores não forneceram nenhuma evidência para justificar os prêmios de retenção além de declarações de que esses funcionários são necessários. É importante ressaltar que os Devedores não fornecem evidências de que os 38 participantes correm o risco de pedir demissão. E isso porque não existe tal evidência – desde a data da petição, apenas 12 dos cerca de 350 funcionários se demitiram voluntariamente”, disse o documento.

De acordo com a solicitação da Voyager, entregue em 2 de agosto, os funcionários executam “contabilidade essencial, gerenciamento de caixa e ativos digitais, infraestrutura de TI, jurídico e outras funções críticas”.

“O programa de bônus permite que os Devedores retenham certos funcionários não-privilegiados críticos e é consistente com programas de retenção em casos semelhantes do Chapter 11“, disse o documento.

Os funcionários costumam ter uma “grande fatia de ações da empresa” como parte de sua remuneração total, mas o valor desse patrimônio “despencou”, o que significa que os funcionários agora estão sendo pagos abaixo do valor de mercado.

Além disso, a atual proposta de reestruturação da Voyager cancelaria as participações acionárias, disse a empresa na época. Perder esses funcionários prejudicaria os esforços de reestruturação da empresa, entre outros problemas.

Esses funcionários foram descritos como “não-informados”, aparentemente significando funcionários não executivos.

Insiders?

Os credores afirmam que, mesmo que esses funcionários peçam demissão e migrem para outras empresas, uma série de demissões em todo o setor significa que eles devem ser facilmente substituídos.

Como um detalhe adicional, o CEO da Voyager, Steven Ehrlich, pediu ao tribunal que permitisse que sua empresa editasse os nomes, títulos, salários, nomes dos supervisores e bônus propostos para os 38 funcionários, dizendo que são “informações não públicas, pessoais e/ou confidenciais .”

O U.S. Trustee’s Office, escritório do departamento da Justiça dos EUA, que no início desta semana pediu para nomear um examinador independente para investigar as finanças da Celsius Network (outro credor de criptomoedas que enfrenta um processo de falência), também se opôs ao pedido de Ehrlich na sexta-feira.

“Os Devedores buscam uma ordem sob a seção 107(b) do Código de Falências autorizando a vedação ou redação de praticamente todas as informações pertinentes sobre os nomes, cargos, informações de supervisor, salário e valor do bônus proposto de cada um dos 38 funcionários, “, disse o arquivamento do Trustee.

“Esta é uma informação crítica que os credores e outras partes interessadas precisarão para avaliar a Moção de Bônus.”

A Voyager alegou que os funcionários não são insiders, mas outras partes interessadas no processo podem argumentar de maneira diferente e devem ter a chance de fazê-lo, disse o escritório do administrador.

Em uma nota de rodapé, o arquivamento do Trustee chega a dizer que, “com base na revisão do Trustee dos Estados Unidos das informações não editadas, um ou mais dos participantes do programa de bônus podem ser classificados como um insider”.

O tribunal de falências realizará uma audiência em 24 de agosto de 2022 para debater o pedido.

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store