Coin News

O BTC perderá o nível de US$ 21 mil apesar do fim da capitulação dos mineradores? 5 coisas para saber sobre Bitcoin nesta semana

22 Aug, 20229 min readMining
O BTC perderá o nível de US$ 21 mil apesar do fim da capitulação dos mineradores? 5 coisas para saber sobre Bitcoin nesta semana

O Bitcoin (BTC) inicia uma nova semana partindo de uma nova baixa de várias semanas em meio a um retorno de sentimento altamente nervoso.

Depois de cair abaixo de US$ 21.000 no fim de semana, a maior criptomoeda está se consolidando cerca de 10% abaixo do que há uma semana, e o medo nos mercados de criptomoedas é claramente visível.

Como alguns pedem novos mínimos e outros alertam para alguns meses difíceis à frente, há muito para os touros enfrentarem em prazos longos e curtos

O simpósio anual de Jackson Hole do Federal Reserve dos Estados Unidos está previsto para esta semana, enquanto setembro já deve colocar as cartas na mesa quando se trata de inflação e gatilhos de preços macro associados.

Isso pode significar uma nova volatilidade nos ativos de risco durante e antes, algo que os investidores cansados, sem dúvida, não receberão bem após as aventuras da semana passada para o BTC/USD.

Ao mesmo tempo, os mineradores estão dando fortes sinais de que o pior já passou, com a taxa de hash começando a se recuperar de uma rara fase de “capitulação”.

Com isso em mente, o Cointelegraph analisa mais de perto cinco tópicos que movem o mercado pertinentes aos traders de Bitcoin nos próximos dias e além.

Todos os olhos em Jackson Hole

O Federal Reserve dos Estados Unidos está mais uma vez no comando nesta semana quando se trata de potenciais gatilhos de preços macro para ativos de risco.

Recém-saídos da reunião do Federal Open Markets Committee (FOMC) da semana passada, os funcionários do Fed, juntamente com figuras bancárias de todo o mundo, se reunirão para o simpósio anual de Jackson Hole nos dias 25 e 27 de agosto.

A reunião deste ano ocorre em um momento crítico para os mercados nos EUA e em outros lugares. A inflação sob a jurisdição do Fed parece ter começado a esfriar, enquanto em outros lugares, a história oposta permanece verdadeira.

Os últimos dados de inflação dos EUA ainda estão a semanas de distância, mas isso pode não impedir o presidente do Fed, Jerome Powell, de dar fortes dicas sobre como o Fed reagirá, bem como posicionar as expectativas em relação à política econômica futura.

Com isso em mente, a volatilidade pode facilmente aumentar tanto antes quanto durante o evento, tornando Jackson Hole um item importante a ser observado no radar dos traders.

"Eles estão tão focados em fazer isso em parte apenas porque erraram no ano passado com toda a coisa 'transitória', e percebem que a única coisa que podem fazer agora é apertar a política, e isso desacelerará a inflação", Kevin Cummins, chefe Economista americano da NatWest Markets em Stamford, Connecticut, disse à Bloomberg.

Com isso, resta saber se o mercado mudará para favorecer outro aumento de 75 pontos básicos na taxa de juros em setembro ou gravitar em direção a um aumento menor de 50 pontos.

Em uma prévia de seus comentários sobre Jackson Hole que circulam online, o Bank of America disse que “continuaria buscando aumentos de 50bp em setembro e novembro, além de um aumento adicional de 25bp em dezembro”.

Os aumentos de taxas por si só apresentam ventos contrários para ativos de risco e, por sua vez, representam um desafio para o Bitcoin e sua tentativa de escapar da forte correlação com outras classes de ativos, como ações dos EUA.

BTC encaminhado para seis meses “feios”

O Bitcoin conseguiu evitar a grande volatilidade no fim de semana, mas ainda viu uma nova baixa em agosto, já que as condições de negociação de baixo volume no fim de semana acentuaram os movimentos do mercado.

Após a queda repentina em 19 de agosto, o par BTC/USD passou os dias subsequentes atingindo uma baixa em um padrão geral de consolidação, continuando no momento da redação.

A baixa veio na forma de uma viagem para US$ 20.770 no Bitstamp, com o Bitcoin adicionando US$ 1.000 antes de retornar ao comércio aproximadamente no meio dos dois valores.

O fechamento semanal em US$ 21.500 foi problemático, marcando o menor desde a semana de 18 de julho, depois que a vela da semana passada custou quase US$ 3.000 ou 11,6%.

Feels like $BTC preparing to head back below $20k soon.Don’t get caught off guard.— Ben Armstrong (@Bitboy_Crypto) August 21, 2022

Parece que o $ BTC está se preparando para voltar abaixo de US$ 20 mil em breve.

Não seja pego desprevenido.

— Ben Armstrong (@Bitboy_Crypto) 21 de agosto de 2022

Com medo de uma nova baixa palpável entre os comentaristas, outros argumentaram que as condições não apontavam inequivocamente para mais perdas.

Para o colaborador do Cointelegraph, Michaël van de Poppe, o par BTC/USD pode limitar qualquer queda no fechamento dos futuros da CME a partir de 19 de agosto, em torno de US$ 21.200. Mais difícil para a maioria do mercado, ele insinuou, seriam os ganhos, dada a tendência geral de entrada para um viés de baixa.

“Provavelmente em torno da abertura da CME, veremos os mercados cair para US$ 21,2 mil, já que é o final de sexta-feira, e então tudo está bem”, disse ele aos seguidores do Twitter no fim de semana:

“Ainda não está inclinado, veremos novas baixas. O período geral de acumulação e forte correção na sexta-feira causa pânico. A dor está em alta.”

Diminuindo o zoom, no entanto, Brian Beamish, fundador do conjunto educacional The Rational Trader, deixou as mídias sociais sem ilusões sobre como o resto de 2022 deve se moldar ao Bitcoin.

“As próximas 12 a 19 semanas serão feias”, dizia parte de um tweet.

“Uma vez feito, o piso para este ciclo deve se estabelecer - então vamos começar tudo de novo.”

Beamish baseou-se na experiência de dois mercados de baixa de criptomoedas anteriores, com um gráfico comparativo de ação de preço sugerindo que a macro baixa real estava longe de ter chegado para o BTC/USD.

Igualmente confiante em uma recuperação por um período mais longo, no entanto, estava o analista Matthew Hyland, que argumentou que os traders não devem perder a fé.

“A estrutura do Bitcoin nas próximas semanas/meses não deve assustá-lo. Ou uma baixa mais alta, fundo duplo ou baixa de ciclo será formada”, resumiu.

"O fim está próximo."

Fitas de Hash mostram mineradores fora da fase de capitulação

Um grupo de participantes da rede Bitcoin para o qual o fim dos tempos difíceis parece comprovadamente próximo são os mineradores.

Apesar da última queda de preço, os dados on-chain agora mostram que os mineradores de Bitcoin saíram em massa de um período de “capitulação” que durou mais de dois meses.

De acordo com a métrica de fitas de hash, que usa duas médias móveis de taxa de hash para determinar as tendências de participação dos mineradores, uma recuperação está tomando forma.

A mudança é esperada há muito tempo. No início de agosto, a empresa de mineração Blockware previu que a fase de capitulação das fitas de hash terminaria neste mês ou no próximo.

A última mudança foi observada por Charles Edwards, CEO da gestora de ativos Capriole, que comparou a capitulação deste ano com outras na história do Bitcoin.

“A capitulação do minerador Bitcoin terminou oficialmente hoje, tornando-se a 3ª mais longa capitulação da história em 71 dias”, escreveu ele em uma thread no Twitter:

“Esta zona de capitulação foi maior que 2021 e apenas dois dias menor que a de 2018, quando o preço atingiu US$ 3,1 mil.”

Uma olhada nas estimativas de taxa de hash do recurso de monitoramento MiningPoolStats mostra que um aumento acima de 200 exahashes por segundo (EH/s) provavelmente começou nos últimos dias.

“Historicamente, as capitulações dos mineradores do Bitcoin capturaram grandes baixas de preços e foram ótimos sinais de compra”, continuou Edwards, ecoando o clássico mantra do mercado Bitcoin, “o preço segue a taxa de hash:”

“As capitulações de mineradores que ocorrem no final do ciclo (pelo menos 2 anos após o halving) e após o topo do ciclo foram os sinais de longo prazo mais lucrativos (por exemplo, 2012, 2015, 2018).”

Saldos das exchanges atingem novos mínimos de 4 anos

As lutas de preços em prazos curtos provaram ser um problema para os compradores desta vez.

Nos bastidores, os investidores, em vez de fugir da exposição ao BTC, estão entrando no mercado em um ritmo notável nos últimos dias.

De acordo com dados da plataforma de análise on-chain CryptoQuant, de 18 de agosto, o Bitcoin disponível em 21 grandes exchanges caiu de 2.342.662 BTC para 2.309.727 BTC em 22 de agosto.

Em quatro dias, os usuários da exchange removeram mais de 30.000 BTC de suas contas.

Enquanto isso, a empresa de dados Glassnode acrescentou que o saldo atual combinado nas exchanges que monitora atingiu uma nova mínima de quatro anos em 22 de agosto.

Para efeito de comparação comparação, em agosto de 2018, o par BTC/USD estava subindo para US$ 7.000, mas ainda a vários meses de seu mercado de baixa de US$ 3.100.

Medidor de sentimento cai 40% em uma semana

Comparado com antes da queda de preço, entretanto, o sentimento não é o que era para as criptomoedas.

Mesmo que as exchanges vejam uma aceleração no BTC deixando seus livros, o quadro geral agora é firmemente de “medo” quando se trata de investidores de Bitcoin e altcoins.

De acordo com o Crypto Fear & Greed Index, que usa uma cesta de fatores para fornecer uma pontuação normalizada para o sentimento do mercado, o “medo extremo” está a um passo de distância.

Em 29/100, o Índice está quatro pontos abaixo do retorno à sua faixa de medo extremo, tendo atingido 27/100 no fim de semana.

Este último representa uma queda de 40% em uma única semana – sete dias antes, o Índice estava em 45/100, registrando seus níveis mais otimistas desde abril.

As visões e opiniões expressas aqui são exclusivamente do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Cointelegraph.com. Cada movimento de investimento e negociação envolve risco, você deve realizar sua própria pesquisa ao tomar uma decisão.

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store