Coin News

Brasileiros lançam criptomoeda para financiar pesquisas com composto químico de cogumelos alucinógenos

21 Sep, 20223 min readBitcoin
Brasileiros lançam criptomoeda para financiar pesquisas com composto químico de cogumelos alucinógenos

A startup brasileira Biocase lançou neste mês de setembro uma criptomoeda chamada BioTrip, criada para financiar pesquisas sobre o uso medicinal da psilocibina, o composto químico presente nos cogumelos alucinógenos, de acordo com informações do site Tilt, do UOL.

O CEO da Biocase, Sérgio Fadul, explicou ao site que o novo criptoativo será distribuído através de uma oferta inicial de moedas (ICO) antes de ser aberto para a negociação livre no mercado. “Qualquer um pode investir, com uma pequena fração do que faria um investidor qualificado, e com a vantagem de financiar algo inovador no campo da medicina aqui no Brasil”, disse o empresário.

A principal meta da startup é arrecadar US$ 5 milhões através da criptomoeda — quantia necessária para o desenvolver duas novas drogas baseadas na psilocibina.

Desenvolvido na blockchain da Solana, o token da BioTrip terá o custo fixo de US$ 1, pelo menos até que as negociações sejam liberadas. Isso deve acontecer após 60% da meta de arrecadação ser atingida, ou após três anos do lançamento da moeda.

Como descreve o site do projeto, do dinheiro obtido nesta oferta inicial, 75% será usado para pagar os estudos clínicos, 15% irá para a reserva de liquidez da criptomoeda, e 10% para custos operacionais do projeto.

“A criptomoeda possui uma utilidade real, porque permite comprar, nesse caso, um produto médico”, disse ao Tilt Gustavo Yukio, o desenvolvedor da Grootbit, empresa responsável por criar a BioTrip.

Mas vale destacar que ter essa criptomoeda, classificada com um utility token, não significa que um usuário poderá comprar medicamentos psicodélicos. No Brasil, a psilocibina é um composto de uso proibido que só pode ser usado em casos específicos por pessoas/empresas com licenças da Anvisa.

Parceria com universidade brasileira

De acordo com seu site da Biocase, a startup possui um laboratório de biotecnologia em parceria com o Certibio, um laboratório público da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

Apelidado de “Vale do Silício do Agreste”, o Certibio foi o primeiro laboratório do Brasil a receber autorização da Anvisa para testar e desenvolver medicamentos baseados na psilocibina, conforme noticiou o portal Viva Bem em maio deste ano.

Os estudos do laboratório apostam no poder medicinal dos compostos psicodélicos no tratamento de doenças crônicas como depressão, ansiedade, além de dependência química e traumas.

A maior parte dos fundos obtidos com a venda da criptomoeda BioTrip, portanto, deverão financiar a pesquisas desses medicamentos. Um dos objetivos da startup é ajudar o laboratório Certibio a obter o registro de um novo medicamento baseado na psilocibina até o final de 2023.

Além disso, a Biocase deve iniciar ainda neste ano a sua primeira pesquisa com o composto psicodélico. Segundo o Tilt, os estudos serão conduzidos pelo Instituto Alma Viva, que é o braço da empresa especializado em terapias psicodélicas.

O MB oferece taxas regressivas de negociação e estratégia de investimento de acordo com o seu perfil. Junte-se à maior Exchange da América Latina e negocie mais de 200 ativos digitais, como tokens, renda fixa digital e criptomoedas. Abra a sua conta gratuita!

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store