Coin News

Binance leva curso de prevenção à lavagem de dinheiro para o Paraguai

2 Aug, 20225 min readBlockchain
Binance leva curso de prevenção à lavagem de dinheiro para o Paraguai

A Binance segue no processo de aumentar a sua proximidade com as autoridades latino-americanas para além do Brasil. Após anunciar na semana passada um workshop sobre criptoativos para o Ministério Público do Rio, a corretora também aplicou um curso sobre criptomoedas, blockchain e prevenção à lavagem de dinheiro para oficiais do Paraguai.

Na segunda-feira (1º), o perfil oficial da exchange no Twitter divulgou fotos do encontro que teve com a Unidade de Crimes Cibernéticos do Paraguai para realizar um workshop para investigadores e promotores na capital Assunção.

Na oficina, a Binance diz ter abordado temas como conceitos básicos de blockchain e criptografia e as políticas da exchange de combate à lavagem de dinheiro.

#Binance recently teamed up with the Paraguay Cybercrime Unit to deliver a workshop for investigators and prosecutors in Asunción The workshop covered topics such as: Basic concepts of blockchain and crypto#Binance's anti-money laundering policies — Binance (@binance) August 1, 2022

No entanto, a Binance enfrenta acusações de ser usada por criminosos justamente como um canal para lavagem de dinheiro.

A corretora pode ter sido usada para lavar bilhões de dólares em fundos ilícitos nos últimos cinco anos, de acordo uma investigação da agência de notícias Reuters.

A agência de notícias estima que, entre 2017 e 2021, cerca de US$ 2,35 bilhões – o equivalente a quase R$ 12 bilhões – em criptomoedas decorrentes de hacks, fraudes de investimento e vendas de drogas ilegais, teriam sido enviadas para a corretora como forma de lavagem de dinheiro.

Aqui no Brasil, o Banco Central acendeu o alerta sobre a existência de riscos nesse sentido na corretora.

O episódio serviu como estopim para uma briga judicial entre a Binance e seu ex-parceiro bancário Capitual, caso que foi parar na Justiça e envolve o bloqueio de R$ 450 milhões, além da interrupção temporária dos saques em real da plataforma.

Cursos da Binance ao Ministério Público

Mesmo assim, a Binance diz quer ensinar as autoridades brasileiras como combater a lavagem de dinheiro. Na última quinta (28), a corretora anunciou que vai realizar nos dias 8 e 9 de agosto, um workshop sobre blockchain e criptoativos para Promotores de Justiça e investigadores do Gaeco do Ministério Público do Rio de Janeiro.

O treinamento será conduzido pelo departamento de investigação da Binance, que também abordará as ferramentas desenvolvidas pela entidade para auxiliar autoridades no combate a crimes cibernéticos e financeiros.

Entre os palestrantes do workshop estão o Chefe de Inteligência e Investigações da Binance para a região Ásia-Pacífico, Jarek Jakubcek, e o especialista em Investigações da empresa na América Latina, Renato Barreto.

Procurado pela reportagem, o MP-RJ confirmou a realização do encontro, mas ressaltou que não houve qualquer contratação pública para a corretora ministrar tal curso.

“O encontro não gerará custos ao poder público. […] Trata-se de encontro de trabalho voltado exclusivamente à troca de conhecimentos técnicos envolvendo o emprego de criptoativos em potenciais atividades criminosas e os respectivos métodos para investigação e rastreamento de ativos envolvidos nestas práticas ilícitas”, explicou em nota a comunicação do MP.

A entidade pública afirma ainda que a realização de evento técnico “não exime a Exchange Binance, ou qualquer outra empresa do segmento, da integral observância das normas em vigor e da responsabilização pelos atos praticados em sentido contrário”.

Problemas da Binance no Brasil

A Binance suspendeu os saques e depósitos por brasileiros na sua plataforma no dia 17 de junho e estabeleceu um prazo de até 72 horas para retomar os serviços. À princípio, a empresa alegou que os serviços teriam sido bloqueados devido à atualização de políticas criadas pelo Banco Central (BC) do Brasil, sem dar mais detalhes.

Mais tarde, a Binance disse que iria substituir o então parceiro Capitual por um outro provedor de pagamentos, destacando que tomaria medidas necessárias, incluindo legais, para assegurar que os usuários não fossem afetados negativamente pela mudança.

Já o Capitual se posicionou sobre o assunto afirmando que estava apenas seguindo suas obrigações do BC feitas ao banco Acesso (seu parceiro bancário), ressaltando “o cumprimento da legislação e requisições dos órgãos reguladores”.

O evento demonstrou que o Banco Central do Brasil via risco elevado de lavagem de dinheiro nas operações e exigindo informações detalhadas sobre os clientes da corretora.

Se a Binance optasse por seguir com a determinação feita pelo BC ao Acesso, deveria oferecer ao parceiro informações pessoais dos seus clientes. No entanto, a Binance optou por não fazer isso. Para contornar a obrigação, a Binance trocou de parceiro no Brasil e passou a usar os serviços da Latam Gateway, que tem suas operações com real viabilizada pelo Banco BS2 (antigo Banco Bonsucesso).

Source

Subscribe to get our top stories

Coin News
App StoreApp Store